Jornal do Brasil

Sábado, 26 de Julho de 2014

Internacional

Otan acusa Moscou de aumentar tropas na fronteira

Agência ANSA

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) voltou a denunciar nesta segunda-feira (14) o aumento da presença de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, definindo o deslocamento como "um passo atrás" no processo de redução da tensão entre os dois países.    

Segundo a aliança militar, existem agora entre 10 mil e 12 mil soldados de Moscou na região, após esse número ter ficado abaixo de mil na metade junho. "Desde então, a Rússia tem aumentado sua presença ao longo da fronteira. Isso não é um passo na direção certa", disse um funcionário da Otan. Em maio passado, a quantidade de homens na divisa entre as nações chegou a 40 mil.

Violência

Enquanto continuam as acusações contra Moscou, 30 milicianos pró-Rússia morreram na tarde de domingo (13) no vilarejo ucraniano de Aleksandrovka, na região oriental de Lugansk. As mortes ocorreram após um ataque de artilharia do Exército de Kiev.    

Por outro lado, os rebeldes reivindicaram o abatimento de um avião de carga An-26, também em Lugansk. No entanto, o governo da Ucrânia acusa o país vizinho de ter promovido a ação. "A aeronave voava a 6,5 mil metros de altitude e era impossível abatê-la com sistemas antiaéreos portáteis. Ela foi atingida por outra arma mais potente, que deve ter sido usada no território da Federação Russa", diz um comunicado do Ministério da Defesa. 

Além disso, Serguei Dolgov, um jornalista de Mariupol, cidade da região oriental de Donetsk, foi encontrado morto perto de Dnipropetrovsk, na Ucrânia central. A vítima havia sido sequestrada no último dia 18 de junho.    Ele estava recolhendo informações sobre supostas violações dos direitos humanos por parte das tropas ucranianas no leste do país. 

Tags: atlântico, crise, Organização, Sul, UCRÂNIA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.