Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

Internacional

Em dia sangrento em Gaza, CS da ONU pede cessar-fogo

Agência ANSA

Os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas lançaram um apelo neste sábado (12) para o fim da escalada de violência na Faixa de Gaza. Em uma declaração adotada por unanimidade, os 15 membros permanentes e rotativos do Conselho de Segurança pediram a "restauração da paz e a retomada do cessar-fogo de novembro de 2012" entre palestinos e israelenses. 

 A declaração vem em um dia sangrento para a Faixa de Gaza, após uma série de ataques simultâneos israelenses em Zaitun, Sanjaya, Jabaliya e Khan Yunis. Somente hoje, mais de 25 pessoas teriam morrido. Desde terça-feira (8), quando os bombardeiros começaram, 132 pessoas morreram e outras mil ficaram feridas. As autoridades contabilizam 282 casas derrubadas em Gaza e nove mil seriamente danificadas.     

 Mas Israel também afirma ter interceptado mísseis lançados por braços armados do Hamas. Um deles teria como objetivo o aeroporto de Tel-Aviv, após o próprio Hamas recomendar que as companhias aéreas suspendessem os vôos na região. Um porta-voz militar de Israel também informou que os ataques na Faixa de Gaza atingiram 84 alvos possivelmente ligados ao Hamas.     

 Para isso, foram usados 690 foguetes e disparos de longo alcance nas últimas horas. O governo israelense não descarta ainda dar início a uma operação terrestre contra a Faixa de Gaza. Uma fonte militar disse que as tropas só estão esperando o aval político.

"Nenhuma pressão internacional nos impedirá de agir contra os terroristas em Gaza", afirmou, por sua vez, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Por sua vez, o representante palestino nas Nações Unidas, Riyad Mansour, afirmou que cerca de 78% das vítimas são civis. "Esperamos que Israel respeite esta declaração. Se não fizer isso, pediremos uma outra intervenção da ONU, pois seu trabalho é garantir o respeito da paz e da segurança internacional", disse Mansour, após o documento aprovado pelo Conselho de Segurança.

Reação - Enquanto os ataques prosseguem, a comunidade internacional tenta se articular para propor uma saída para o conflito. O secretário britânico de Relações Exteriores, William Hague, conversou com o representante israelense Avigdor Lieberman e com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. De acordo com o jornal "Haaretz", Hague também pediu que as duas partes retomem o cessar-fogo nos moldes do de 2012.

Autoridades do Reino Unido, dos Estados Unidos, da França e da Alemanha pretendem se reunir amanhã (13) para discutir uma proposta de cessar-fogo. O encontro deve ocorrer em Viena, às margens da reunião do grupo 5+1 sobre o programa nuclear iraniano. "Nós precisamos de uma ação internacional urgente e concentrada para obter um cessar-fogo, como em 2012", disse Hague, em um comunicado.

Já o Egito está tentando coordenar ações pela Liga Árabe, que fará na segunda-feira (14) uma reunião ministerial no Cairo. "O Egito está em contato com todas as partes internacionais para agir rapidamente para salvar o povo palestino e pedir para Israel encerrar os ataques", disse um comunicado do Ministério do Exterior egípcio.

Histórico - Neste sábado (13), completa cinco dias a operação "Margem Protetora", lançada no início da semana por Israel contra a Faixa de Gaza. A operação foi colocada em prática após a morte de três jovens israelenses na Cisjordânia, seguida pelo assassinato de um adolescente palestino, incendiado vivo com gasolina. O governo israelense culpa o Hamas pela morte dos jovens, mas o grupo nega ter envolvimento. (ANSA) Os crimes ocorreram dias após o Hamas e o Fatah terem anunciado um acordo histórico de reconciliação para um novo governo de unidade nacional palestino. (ANSA)

Tags: ataques, conselho de segurança, Gaza, guerra, internacional, Israel, onu, palestina

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.