Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Internacional

Alemães irão expulsar norte-americano do país

Ele trabalhava para o serviço secreto dos EUA

Agência ANSA

O governo alemão expulsará um representante do serviço secreto norte-americano que mora em Berlim, informou o presidente da Comissão que investiga o Datagate, Clemens Binninger.

    Já a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu para que as investigações sobre o Datagate norte-americano seja focadas no que é necessário. "A espionagem de aliados é um gasto de energia. Temos tantos problemas e acredito que precisamos nos concentrar no que é necessário. Nem tudo que é possível fazer do ponto de vista técnico deve ser realmente feito", declarou Merkel nesta quinta-feira (10).

    Ela ainda pediu calma para "ver o que pode ser feito quando tudo estiver claro, não quero criar hipóteses" ao responder uma pergunta sobre a possível expulsão de diplomatas norte-americanos do país.

    Merkel também destacou que com os Estados Unidos ela vê "uma diferença muito grande de princípios a respeito do serviço secreto após a Guerra Fria". "Há problemas enormes, não somente contra a Síria e o Isis, na defesa do terrorismo, que para mim são prioritários a respeito de questões de espionagem entre aliados", disse a chanceler acrescentando que antes da Guerra Fria "não se duvidava dos outros países".

    Já o ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere, disse que as informações obtidas pelos EUA são "ridículas". "As informações são ridículas, mas os danos políticos, ao contrário, são de grandes proporções e graves. Se o conteúdo for esse que sabemos hoje, as informações obtidas através da suposta espionagem são ridículas", declarou nesta manhã.

    O ministro das Finanças alemãs, Wolfgang Schaeuble, afirmou que a colaboração entre os dois países não pode significar que "os norte-americanos podem dar trabalho de terceira classe para nós"."Isso foi tão tolo que dá vontade de chorar. Mas, não estamos achando graça. Se nós não tivéssemos obtido essas informações, não teríamos a mínima chance de nos defender de ataques terroristas", falou Schaeuble. A Alemanha está investigando o caso de espionagem dos telefones de Merkel, reveladas por Edward Snowden. Porém, a comissão que investiga o caso descobriu que um espião alemão estava infiltrado nos trabalhos e que ele teria vendido informações aos Estados Unidos. Essas descobertas causaram atrito nas relações diplomáticas entre os países, mesmo os norte-americanos dizendo que irão ajudar a esclarecer os fatos. (ANSA)

Tags: ALEMANHA, berlim, espionagem, EUA, expulsão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.