Jornal do Brasil

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Internacional

Ucrânia: Medvedev diz que apoio do G7 à Ucrânia é "cinismo sem limites"

Agência Brasil

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, disse hoje (5) que o apoio do G7 à operação das Forças Armadas ucranianas contra os rebeldes pró-russos no Leste do país é um “cinismo sem limites”.

“O autointitulado G7 [Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, Alemanha, Canadá e Japão] se manifestou após as ações tomadas pelas Forças Armadas ucranianas contra o seu próprio povo. É um cinismo sem limites”, disse o primeiro-ministro, citado pela agência oficial de notícias russa, Itar Tass.

Diante do Conselho de Ministros russo, Medvedev falou ainda das operações da Ucrânia no combate aos pró-russos no Leste do país e sobre a questão do fluxo de refugiados nas regiões russas com fronteira com a Ucrânia.

Em uma declaração adotada ontem (4) em Bruxelas, na Bélgica, o G7 encorajou o governo ucraniano a “manter as medidas para prosseguir as suas operações para restaurar a lei e a ordem” no Leste do país.

Para a Rússia, as atividades de segurança na região são uma intervenção desproporcional. De acordo com o governo russo, na semana passada, as forças ucranianas violaram a Convenção de Genebra de 1949 sobre a Proteção de Civis.

“As pessoas estão assustadas, com medo, mas autoridades ucranianas não veem aqui um problema humanitário, dizem que não são refugiados. Isso é, claro, uma mentira”, disse Medvedev.

Medvedev informou que 5 mil pessoas chegam todos os dias da Urânia à região russa de Rostov do Don, no Sudeste do país. A contagem do premiê é baseada no controle fronteiriço da Rússia.  “A diferença entre saídas e entradas é de cerca de 5 mil por dia”, precisou Medvedev.

Segundo o primeiro-ministro russo, a maioria dessas pessoas deixou a Ucrânia, especialmente crianças e mulheres; chegaram à região, mas de lá seguem para diversas localidades russas.

Tags: armadas, Forças, primeiro-ministro, russa, ucranianas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.