Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Internacional

Abbas diz que novo governo de união põe fim à divisão na Palestina

Agência Brasil

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, anunciou hoje (2) “o fim da divisão” entre os palestinos, ao dar a posse ao novo governo de união nacional como parte do acordo de reconciliação concluído no final de abril.

“Hoje, com a formação de um governo de união nacional, anunciamos o fim da divisão palestina, que prejudicou muito a nossa causa nacional”, declarou Abbas, em Ramallah,  Cisjordânia, após a cerimônia de posse. Composto por 17 ministros, o governo independente tem cinco representantes da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, e será liderado por Rami Hamdallah. A principal missão do novo governo será preparar as eleições presidenciais e legislativas até o fim deste ano.

Anteriormente, Abbas havia dito que “os ministros não serão membros do Fatah", movimento que dirige, "nem do Hamas", movimento de resistência islâmica. O Hamas já saudou o novo governo de união de “todos os palestinos”, segundo um porta-voz do movimento islâmico.

Israel criticou o acordo de reconciliação entre a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e o Hamas, que considera uma organização terrorista - avaliação compartilhada pela União Europeia e os Estados Unidos. A OLP, dominada pelo Fatah, e o Hamas assinaram, em 23 de abril, acordo para acabar com a divisão política que existia desde 2007, entre a Cisjordânia, cujas zonas autônomas são administradas pela Autoridade Palestina, e a Faixa de Gaza, sob bloqueio israelense.

Para o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a posição da Europa diante do novo governo é ambígua.  “O terrorismo islâmico levanta a cabeça na Europa, vimos uma demonstração com o horrível crime cometido no Museu Judaico, em Bruxelas", disse Netanyahu, em comunicado transmitido pela rádio do Exército.

O governo israelense condenou a formação do novo governo de unidade nacional e ameaçou adotar medidas de retaliação, embora não tenha especificado quais seriam essas medidas.Netanyahu convocou nesta segunda uma reunião de emergência e confirmou o rompimento das negociações com o governo palestino que, segundo ele, é “aliado à organização terrorista Hamas”. Na sua avaliação, a iniciativa acendeu luz verde para que Israel imponha “novas sanções” à Autoridade Palestina.

O primeiro-ministro israelense disse que, a partir de agora, Abbas é o responsável por qualquer ação “destinada a abalar a segurança de Israel”, quer provenha da Faixa de Gaza ou da Cisjordânia.

Segundo Netanyahu, Abbas decidiu aliar-se ao Hamas, “uma organização classificada como terrorista pelos Estados Unidos, a Europa, o Egito e muitos outros países”. Ele também exortou os Estados Unidos e a União Europeia a não reconhecerem o novo governo palestino.

Tags: crise, formação, gabinete, israelenses, PALESTINOS

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.