Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

Internacional

França lembra vítimas e os cinco anos da tragédia do AF 447

Portal Terra

Os cinco anos do acidente do voo Air France 447 foram lembrados na França em uma cerimônia em memória das 228 vítimas da tragédia. O ato foi realizado no cemitério do Père-Lachaise, no leste de Paris, e reuniu familiares e amigos vindos de várias cidades da França e de outros países da Europa.

A cerimônia, que foi fechada ao público, aconteceu diante de um memorial onde estão gravados os nomes de todas as vítimas do acidente com o Airbus A330, que caiu no Oceano Atlântico na madrugada do dia primeiro de junho de 2009, quando fazia a rota entre o Rio de Janeiro e Paris.

O governo francês foi representado pela chefe de gabinete do secretário dos Transportes. Falando em seu nome e “em nome dos milhares de funcionários da Air France”, o presidente da companhia aérea, Fréderic Gagey, mostrou pesar pelas vítimas.

Familiares de passageiros franceses, alemães e ingleses também discursaram, assim como funcionários da Air France. Representantes das religiões cristã, judaica e muçulmana oraram em memória dos mortos na tragédia.

Um dos momentos de maior emoção aconteceu no encerramento do ato na leitura dos nomes das 228 vítimas do acidente. “É sempre a mesma coisa, no momento da lista dos passageiros, eu não controlo a emoção. É muito difícil escutar os sobrenomes e ver que às vezes três pessoas da mesma família morreram, que essas vidas foram destruídas”, disse ao Terra Keiko Marinho, uma das poucas brasileiras presentes no Père-Lachaise, onde foi homenagear o irmão Nelson, morto na queda do AF 447.

Apesar da emoção, Keiko não poupou críticas à Justiça francesa, que investiga se houve responsabilidade da Air France ou da Airbus nas causas acidente. Para ela, o relatório de contra análise realizado a pedido do construtor aéreo não pode ser levado em consideração nas investigações.

“Até agora não teve justiça”, acusou Keiko, ao afirmar que 14 fatores que foram apontados nas conclusões das autoridades da aviação civil francesa como tendo influenciado na queda do AF 447 nem foram citados no último relatório encomendado pela Justiça do País. “Poderiam fazer Justiça agora mesmo, anulando esse relatório”, disse Keiko.

De noite, outra homenagem aconteceu na igreja da Trindade, em Paris. Um coral de 300 pessoas cantou um réquiem composto em memória das vítimas pelo brasileiro Antonio Santana.

Tags: avisão, família, homenagem, memória, Paris, Tragédia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.