Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Internacional

Papa Francisco define Holocausto como 'monstruosidade'

Agência ANSA

No último dia de sua visita à Terra Santa, o papa Francisco esteve nesta segunda-feira (26) no Muro das Lamentações e no Memorial Yad Vashem, em homenagem às vítimas do Holocausto.

Francisco teve um encontro com Grão-Mufti de Jerusalém e de toda a Palestina, o xeque Muhamad Ahmad Hussein, na Cúpula das Rochas, na Esplanada das Mesquitas, um dos locais mais sagrados do Islã e coração de conflitos entre israelenses e palestinos.

Em seguida, como seus antecessores João Paulo II e Bento XVI, o Papa visitou o Muro das Lamentações e deixou seu bilhete entre as rochas, recolhendo-se em oração silenciosa por alguns minutos. "Vim até aqui para rezar e pedir ao Senhor a graça da paz", escreveu o Papa, no livro de honra do lugar, após sua visita.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse também que Francisco escreveu a oração do "Pai-Nosso" em espanhol no bilhete colocado no Muro das Lamentações. Francisco fez ainda um discurso emocionante e forte ao visitar o Memorial Yad Vashem. Sua ida ao local foi um convite de última hora do presidente israelense, Benjamin Netanyahu.

Encontrando-se com sobreviventes do Holocausto, Francisco fez questão de cumprimentar um a um e de beijar suas mãos. "Talvez até mesmo o Senhor não poderia ter imaginado tal queda, tal abismo", comentou o Papa. "Homem, quem é você? Não te reconheço mais. Quem é você, homem? No que você se tornou? De qual horror você é capaz? O que te fez se tornar assim tão baixo?", disse Francisco, referindo-se ao Holocausto.

"Senhor, salve-nos desta monstruosidade. Dê-nos a graça de nos envergonharmos, como homens, daquilo de que fomos capazes de fazer. Nunca mais, Senhor, nunca mais!", completou.

Em seguida, em um encontro com rabinos de Israel, o Papa fez um apelo contra o terrorismo e o antissemitismo, ressaltando que, "juntos, podemos dar uma grande contribuição à causa da paz".  "Juntos, podemos contrastar com firmeza qualquer forma de antissemitismo e as diversas formas de discriminação".

O Pontífice ainda se reuniu com os dois grandes rabinos de Israel e com o presidente do país, Shimon Peres, que ontem foi convidado por Francisco a visitar o Vaticano para uma oração conjunta com o líder da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, pela paz no Oriente Médio.

"A paz é questão de criatividade e inspiração, e você leva as duas coisas", disse Peres ao receber o Papa em sua residência em Jerusalém. "A paz entre as religiões é uma via para a paz em outros setores", destacou.

Francisco conclui hoje sua visita à Jordânia, Palestina e Israel, que é sua segunda viagem internacional desde quando assumiu a liderança da Igreja Católica, em março do ano passado.

Também é a quarta visita de um Papa aos locais sagrados para o cristianismo. Sua viagem, iniciada no último sábado, foi marcada por apelos de paz e demonstração de apoio à criação e reconhecimento do Estado da Palestina

Tags: Francisco, Israel, pontífice, terra santa, viagem

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.