Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Internacional

Após vitória na UE, premier cobra reformas na Itália

Agência ANSA

Após a vitória esmagadora do Partido Democrático (PD) nas eleições para o Parlamento europeu na Itália, o primeiro-ministro Matteo Renzi - também secretário da sigla - afirmou que não há mais desculpas para não aprovar as reformas de que o país necessita.    

Sua legenda, de orientação centro-esquerdista, alcançou 40,81% dos votos nas eleições europeias de ontem (25), contra apenas 21,16% do Movimento 5 Estrelas (M5S) e 16,82% do Forza Italia (FI), sigla liderada por Silvio Berlusconi. O resultado foi visto como um grande triunfo do premier, que assumiu o governo no último mês de fevereiro. Antes do pleito, a maioria das pesquisas apontava uma vitória do PD, mas por uma vantagem muito menor em relação ao M5S.  

"Há quem diga que devemos festejar, mas seremos humildes e pacatos, porque temos o extraordinário dever de fazer as reformas. O resultado mostra que existe uma Itália que não se entrega", afirmou Renzi. Desde o início de seu mandato, o premier apresentou uma série de propostas importantes, como uma nova lei eleitoral para o país, um projeto para reduzir drasticamente os poderes do Senado e o papel das províncias, um corte no imposto de renda para pessoas físicas e um plano de melhoria da infraestrutura educacional italiana.     No entanto, o primeiro-ministro não quis avaliar o resultado da votação como um referendo sobre ele ou a sua administração. "Não considero esse resultado uma legitimação pessoal. Ontem não venceu uma pessoa, foi uma foto de grupo. O belo ainda deve começar. O desafio foi lançado e nós estaremos à altura desse sonho", declarou ele, acrescentando que seu governo deve durar até 2018.     

 Renzi também fez um apelo para o M5S, que acabou saindo como o grande derrotado nas eleições, já que seu líder e fundador, o comediante Beppe Grillo, esperava uma vitória do movimento. "Desejo que haja uma reflexão nos 5 Estrelas sobre a lei eleitoral. Se esses parlamentares continuarem a usar o Parlamento como palco de show, perderão os seus eleitores. Mas se mudarem a postura, encontrarão ajuda para fazermos juntos as reformas", disse. Frequentemente, os senadores e deputados do partido de Grillo usam o Congresso para realizar protestos contra o governo e os políticos.     A vitória de Renzi nas urnas chega em um momento em que sua legitimidade no comando do país era questionada pelas forças de oposição. Tanto o M5S quanto o Forza Italia exigiam a realização de eleições nacionais, já que o premier chegou ao poder sem precisar passar pelas urnas.     O resultado histórico atingido pelo PD, que conseguiu uma porcentagem de votos recorde, teve efeito imediato no mercado financeiro. No pregão desta segunda-feira (26), o índice FTSE MIB, principal indicador da Bolsa de Milão, fechou com alta de 3,61%, chegando a 21.493 pontos. Os 40,81% alcançados pelo Partido Democrático também dão força a Renzi no plano europeu, já que em julho a Itália assume a presidência rotativa semestral da União Europeia.

Além do PD, do M5S e do Forza Italia, apenas outras três siglas conseguiram ultrapassar a cláusula de barreira de 4% necessária para entrar no Parlamento da UE. Em quarto lugar na votação, com 6,16%, ficou a legenda de extrema-direita Liga Norte, que irá integrar o grupo eurocético, ao lado da conservadora Frente Nacional, da francesa Marine Le Pen.     Já a Nova Centro-Direita (NCD), que faz parte da coalizão governista de Renzi, ficou com 4,38% do eleitorado, enquanto a lista Outra Europa com Tsipras, movimento de esquerda radical criado para apoiar a candidatura do grego Alexis Tsipras à presidência da Comissão Europeia, obteve 4,03%.     Por outro lado, Irmãos da Itália (3,66%), Verdes (0,89%), Escolha Europeia (0,71%), Itália dos Valores (0,65%), Partido Popular do Sul-Tirolês (0,50%) e Eu Mudo (0,17%) ficaram de fora

Tags: Eleições, internacional, itália, renzi, união europeia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.