Jornal do Brasil

Domingo, 25 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Após campanha acirrada, colombianos escolhem presidente

Agência ANSA

Os colombianos irão às urnas neste domingo (25) para eleger o próximo presidente do país após uma campanha polarizada, marcada por "traição" e escândalo. Com a "guerra suja" entre os principais candidatos, o atual mandatário, Juan Manuel Santos, e Oscar Iván Zuluaga, as posições se radicalizaram entre os que querem a paz e a aqueles que "preferem a guerra" no país.    

Desta forma, os cerca de 32,9 milhões de colombianos habilitados a votar devem escolher um dos lados neste domingo. Uma das principais bandeiras do governo de Santos é a tentativa de paz com o grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) - que acontecem desde 2012 em Havana.    

Zuluaga, que é apadrinhado pelo ex-presidente Álvaro Uribe, inimigo de Santos, por sua vez, tem uma orientação política completamente oposta e pretende acabar com as conversações caso seja eleito.    

Além deles, concorrem ao cargo a progressista Clara López, a conservadora Marta Lucía Ramírez e o ex-prefeito de Bogotá Enrique Peñalosa. Os discursos e programas dos demais candidatos, no entanto, passaram quase despercebidos em meio a escândalos e trocas de acusações entre os rivais mais fortes do pleito.     

Foi divulgado recentemente um vídeo que mostra Zuluaga conversando com um hacker que disse ter acesso a informações privilegiadas de Inteligência. O candidato e seu advogado, Jaime Granados, disseram que se trata de uma "montagem" para desestabilizar sua candidatura.    Dias antes, no entanto, Uribe acusou Santos de receber dinheiro da máfia -- sem provar tais alegações. O atual presidente, que foi ministro da Defesa de Uribe, é considerado um "traidor" por ele, por ter rompido com seus interesses políticos após ter sido eleito.    

Desta forma, em meio ao duelo da campanha eleitoral, temas como a violência e a criminalidade nas metrópoles e zonas rurais, os problemas estruturais do sistema de saúde, a urgente reforma do modelo atual de Justiça e a corrupção ficaram de fora do debate.

Tags: . eleição, COLÔMBIA, Santos, presidencial, urnas

Compartilhe: