Jornal do Brasil

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Internacional

Prefeito de Toronto pode ser exemplo nocivo para sociedade, diz psiquiatra

Paradeiro do prefeito Rob Ford continua desconhecido. Popularidade dele aumentou após escândalos.

Jornal do BrasilRafael Gonzaga

Continua desconhecida a localização atual do prefeito de Toronto, Rob Ford, que desapareceu após anunciar que estava abandonando temporariamente o cargo e suspendendo a campanha de reeleição. O prefeito da cidade canadense estaria buscando ajuda imediata por conta de problemas sérios de alcoolismo. Rob Ford esteve envolvido em polêmicas relacionadas a vídeos onde aparece usando drogas e áudios onde utiliza palavras de baixo calão para se referir a outros políticos.

>> Prefeito que admitiu ter fumado crack busca reeleição em Toronto

>> Polícia de Toronto recupera vídeo em que prefeito apareceria fumando crack

O vereador Doug Ford, irmão do prefeito desaparecido, se recusa a divulgar o paradeiro dele, apenas disse que o prefeito estaria indo se internar no que ele classificou como sendo uma das melhores instalações da América do Norte para tratar do alcoolismo.

Em novembro de 2013, o prefeito admitiu ter consumido crack, alegando que estava sob o controle do álcool. Um vídeo gravado no final de abril do ano passado, cujo conteúdo não foi liberado, onde Rob Ford apareceria utilizando a droga junto de sua irmã estaria em posse da polícia canadense.

Além disso, o prefeito também teve sua imagem pública exposta em uma gravação de áudio em que profere palavras de baixo calão dirigidas à vereadora de Toronto Karen Stintz e faz ofensas racistas, misóginas e homofóbicas a outros políticos canadenses. Stintz é inclusive uma das candidatas à prefeitura de Toronto nas eleições de outubro.

A existência do vídeo onde Ford, um político populista eleito em 2010, aparece usando crack foi divulgada por diversos veículos midiáticos em maio de 2013. Segundo os jornais, o vídeo estaria em posse de narcotraficantes na época. O prefeito negou o consumo de álcool e drogas até novembro, quando declarou que estava buscando largar o consumo de álcool para melhorar a saúde.

Apesar dessas declarações, o político, que já realizou algumas aparições em estado de embriaguez, apareceu novamente alcoolizado em público no começo deste ano.

Contudo, apesar de todos os escândalos envolvendo o prefeito de Toronto, sua popularidade curiosamente tem crescido. Após a polícia ter anunciado possuir uma cópia do vídeo na última semana, os índices de aprovação de Rob subiram para 44%, aumentando cinco pontos percentuais.

Para o psiquiatra Miguel Chalub, professor de psiquiatria e psicologia médica na Universidade Federal do Rio de Janeiro, a representação do governante representa, ainda que inconscientemente, uma figura paterna para as pessoas de maneira geral. “Projeta-se nele o bom pai que a pessoa teve ou o bom pai que a pessoa gostaria  de ter tido. Se esse governante é um prefeito eleito, a questão fica ainda mais complexa psicologicamente. Em primeiro lugar porque eu dei meu voto a ele o que significa que eu confiava nele e o considerava inconscientemente uma figura paterna e, como todos os pais, digno, correto, honesto, um herói. Em segundo lugar, o prefeito é, em geral, uma figura próxima: pode ser ouvido, ser visto, ter contato com ele, o que o torna um "parente". Como todo pai, é sempre idealizado e deve ser a melhor pessoa possível, explica.

Chalub avalia ainda os impactos que os exemplos nocivos de um representante podem exercer na população que governa. Para ele, os reflexos nesse caso não atingem somente pessoas com uma escolaridade mais defasada. “Estas considerações não se aplicam apenas a pessoas humildes, simples, de baixa extração social, mas a todos em que tais sentimentos sejam despertados”, conta.

De acordo com o psiquiatra, se o próprio prefeito tem uma conduta que não corresponde ao ideal paterno da população, pode acabar gerando um clima de decepção. Mas alerta também para os perigos dessa influência. “Como a tendência básica do ser humano é eleger um modelo e seguir os ditames deste modelo, o grande risco sob o ponto de vista psicossocial é que tal conduta alterada seja adotada por muitos. Se ele, o herói, o grande homem pode, por que não eu?”, analisa.

Tags: alcoolismo, drogas, escândalo, polêmica, rob ford, toronto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.