Jornal do Brasil

Segunda-feira, 23 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Costa Rica vai às urnas no segundo turno das eleições presidenciais

Jornal do Brasil

A Costa Rica escolhe hoje (6), em segundo turno, o futuro presidente do país, que vai suceder a presidenta Laura Chinchilla. De acordo com a Justiça Eleitoral do país, os centros de votação foram abertos no horário previsto, 6h da manhã (9h no horário de Brasília). As pesquisas apontam o favoritismo do candidato opositor, do Partido Ação Cidadã (centro-esquerda), Guillermo Solis, que enfrenta Johnny Araya, do Partido Liberação Nacional, candidato apoiado pelo governo Chinchilla.

O Tribunal Supremo Eleitoral costarriquenho informou que cerca de 3,1 milhões de eleitores foram convocados e 88 mil fiscais de partidos políticos, sociedade civil e observadores internacionais acompanham o processo eleitoral. A expectativa é de que o resultado da votação seja divulgado às 20h no horário local.

Tanto o governo quanto os candidatos trabalharam nas últimas semanas para motivar os eleitores a comparecerem às urnas. No país, o voto não é obrigatório e no primeiro turno, realizado em fevereiro, a abstenção foi 31%. De acordo com historiadores e analistas entrevistados pela TV Multiestatal Telesur e jornais locais, a abstenção no segundo turno em países centro-americanos tende a ser maior que a registrada no primeiro.

No primeiro turno das eleições presidenciais nenhum dos candidatos obteve mais de 40% dos votos. Guillermo Solis alcançou 30,64% (629.856 votos) e Johnny Araya teve 29,71% (610.634 votos). Solis é o favorito porque tem o apoio de José María Villalta, da Frente Ampla (de esquerda), que no primeiro turno conquistou mais de 17% dos votos.

O candidato Johnny Araya chegou a anunciar que renunciaria a candidatura e admitiu publicamente que não teria possibilidade de vitória. Ele, no entanto, se manteve na disputa por causa da proibição constitucional de renunciar candidaturas na fase decisiva do processo.

Agência Brasil


Tags: Eleições, costa rico, crise, país, tv multiestatal telesur, voto

Compartilhe: