Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Internacional

'New York Times': colunista defende união entre EUA e Europa

Clemen Wergin destaca a importância do livre comércio diante da ressurgência da Rússia.

Jornal do Brasil

Clemen Wergin, em uma coluna no New York Times nesta quinta-feira (3), "America Needs a Pivot to Europe" (América precisa de um eixo para a Europa), discute qual estratégia de posicionamento os Estados Unidos devem tomar atualmente. O autor relembra que, há três anos, o país voltou-se para a Ásia. Segundo ele, isto fazia sentido na época, já que a China estava em evidência, os Estados Unidos estavam "cansados" do Oriente Médio e a Europa não parecia trazer nenhum problema de segurança.

Entretanto, Wergin afirma que o país parece não estar mais direcionado para a Ásia. O Oriente Médio, com suas revoluções e tomadas de poder estariam atraindo os Estados Unidos novamente. Por sua vez, a União Europeia falhou em parar a invasão da Crimeia por parte da Rússia. Diante da possibilidade de uma nova guerra fria, o governo norte-americano estaria se voltando para o Velho Continente. 

O autor relembra a última crise econômica na Europa, na qual líderes europeus, com apoio norte-americano, teriam incentivado a criação de uma zona de livre comércio entre os dois. Na época, seria só uma forma de estimular o crescimento sem demandar muito esforço. Diante do novo cenário europeu, a ideia teria se tornado uma estratégia política. Frente a uma Rússia ressurgente, Estados Unidos e Europa precisariam achar formas de coordenar e consolidar os próprios interesses. A união seria o pilar econômico para a Organização do Tratado do Atlântico Norte, aliança militar intergovernamental.

De acordo com o colunista, a dificuldade agora é organizar todas os regulamentos sem erros e chegar a um consenso, já que tanto a Europa quanto os Estados Unidos estão acostumados a lidar com parceiros mais fracos, que normalmente se adaptam às suas vontades. Ele conclui o texto destacando a importância deste pacto, que vai muito além de crescimento econômico. Para Wergin, esta é a chance de ambos os lados firmarem seu poder global.

Tags: Estados Unidos, Europa, guerra fria, internacional, poder, política, russia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.