Jornal do Brasil

Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Internacional

Governo venezuelano responde aos protestos com ódio

Jornal do Brasil

O jornal espanhol El País, em sua edição desta quinta-feira (13) publicou artigo assinado por Cristina Marcano sobre a reação do governo venezuelano aos protestos que estão ocorrendo no país. Veja abaixo a análise da jornalista.

"As armas devem ser reservadas para o último lugar, onde e quando outros meios não são suficientes ", argumentou Maquiavel. Após a onda repressiva de fevereiro, parece que Nicolas Maduro leu muito pouco o estrategista Che Guevara florentino. Ou talvez ele ache que já chegou ao último estágio.

O presidente venezuelano, não poupou esforços para assustar os jovens manifestantes e convencer os venezuelanos, à força, para que eles deixassem às ruas. Sem conseguir resolver suas demandas específicas, o presidente escolheu o modus operandi de ditadores para tentar a paz, em meio a uma crise econômica e uma epidemia criminosa incontrolável que refletiram o crescente descontentamento e protestos da população.

O governo utilizou todas as forças policiais, a Guarda Nacional, Guarda Popular e Sebin (inteligência ). Ele contou também com as tropas de choque "coletivos" que agiram em cooperação com a Guarda, especialmente depois que ele ordenou-lhes para defender a revolução. Aviões Sukhoi foram usados ??para intimidar os meninos de St. Kitts e tanquesàs dúzias , como se a Guarda Nacional estivesse lutando contra terroristas da Al Qaeda e não vinte armados , no máximo, com pedras e coquetéis molotov .

Dia após dia, a polícia e os militares têm esbanjado uma chuva incessante de gases tóxicos sobre os manifestantes, embora a sua utilização no controle de distúrbios seja expressamente proibida pela Constituição venezuelana , como as armas de fogo.

Maduro ordenou a prisão do líder da oposição, Leopoldo López, seu primeiro grande prisioneiro político, e fez um ataque real sobre manifestantes. Mais de mil prisioneiros em um mês. Um recorde que supera a onda de saques, de 1989, conhecido como "El Caracazo" .

Por que Maduro decidiu caçar pássaros com mísseis? Por que não tentou sufocar os protestos como fez sua aliada, Dilma Rousseff, presidente do Brasil? Por que não atendeu às reivindicações legítimas? Será que convinha deixar que os protestos chegassem a uma escala que produzisse 23 mortes, de diferentes orientações políticas, e mais de 300 feridos? Por que agora mostra as garras quando ainda não tem um ano na presidência? 

Tags: distúrbios, manifestantes, oposição, presidência, prisão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.