Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Internacional

Rússia recusa 'ameaças inaceitáveis' de John Kerry

Agência Brasil

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo considerou hoje (3) que as advertências feitas pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, quanto à atuação na Ucrânia são inaceitáveis.

“Consideramos que as ameaças feitas à Rússia em uma série de declarações públicas do secretário de Estado norte-americano sobre os últimos acontecimentos na Ucrânia e na Crimeia são inaceitáveis”, destacou o ministério em declaração divulgada em sua página na internet.

Moscou acusou Kerry de recorrer a “clichês da Guerra Fria”, sem se preocupar em compreender os processos complexos que ocorrem na sociedade ucraniana. Kerry não conseguiu “avaliar objetivamente a situação, que continua a deteriorar-se depois da tomada do poder em Kiev por extremistas radicais”, acrescenta a nota.

Moscou acusa os Estados Unidos e seus aliados de fecharem os olhos à “russofobia e ao antissemitismo evidentes” dos manifestantes da oposição que tomaram o poder em Kiev. “Os aliados do Ocidente neste momento são abertamente neonazistas que atacaram igrejas ortodoxas e sinagogas”, diz o ministério na declaração.

Kerry, que deve ir a Kiev amanhã (4), advertiu a Rússia no sábado (1º) de que o envio de tropas para a Crimeia, no Sul da Ucrânia, podia implicar sua exclusão do G-8 (grupo formado pelos Estados Unidos, o Canadá, a Alemanha, França, Itália, o Reino Unido e Japão, mais a Rússia) e a aplicação de sanções internacionais.

Os outros membros do G-8 divulgaram declaração nesse domingo, lembrando que a sua participação na cúpula prevista para junho, em Sochi, não está assegurada.

John Kerry acusou a Rússia de “violação da “soberania” e da “integridade territorial” da Ucrânia, assim como das “convenções internacionais”, ao decidir enviar tropas para a Crimeia.

Tags: crise, EUA, política, russia, UCRÂNIA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.