Jornal do Brasil

Sábado, 25 de Outubro de 2014

Internacional

Ianukóvich diz que ainda se considera presidente da Ucrânia

Agência Brasil

O presidente deposto da Ucrânia, Viktor Ianukóvich, disse hoje (27) que continua a se considerar chefe de Estado legítimo do país e pediu à Rússia que garanta a sua segurança. Em mensagem ao povo ucraniano, divulgada pela agência russa de notícias Interfax, ele informou que é vítima de ameaças e assinalou que o novo poder em Kiev é ilegítimo.

“Eu, Viktor Fiodorovich Ianukóvich, dirijo-me ao povo da Ucrânia. Como antes, considero-me chefe legítimo do Estado ucraniano, eleito pela vontade livremente expressa dos cidadãos”, acrescentou no texto. “Têm chegado ameaças de represálias, para mim e para os meus próximos. Tenho que pedir às autoridades da Federação Russa que garantam a minha segurança pessoal perante ações extremistas”.

Fonte próxima das autoridades russas informou que o país respondeu positivamente ao pedido do presidente deposto, garantindo-lhe segurança no território. “Dado que Ianukóvich se dirigiu às autoridades russas para pedir que garantam a sua segurança pessoal, informamos que esse pedido foi satisfeito em território russo”.

Ianukóvich destacou que qualquer ordem dada às Forças Armadas e aos serviços de segurança para intervir nos assuntos políticos internos será ilegal e criminosa. Disse também estar determinado a lutar até o fim pelo cumprimento dos “importantes acordos alcançados para retirar a Ucrânia da profunda crise política”, em referência ao acordo que firmou no último dia 21 com a oposição, sob mediação da União Europeia.

“Lamentavelmente, tudo o que ocorre agora na Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia não é legítimo”, insistiu. Ele considerou ser “evidente que o povo do Sudeste da Ucrânia e da Crimeia [zonas que adotam o idioma russo] não aceita o vazio de poder e o que está ocorrendo no país, quando os dirigentes dos ministérios são eleitos por uma multidão em uma praça”.

Ianukóvich está em local desconhecido desde sábado (22), quando a oposição tomou o poder em Kiev, depois de três meses de protestos.

Tags: CONFLITO, crise, política, protesto, UCRÂNIA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.