Jornal do Brasil

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Internacional

Carnaval divide oposição e governo na Venezuela

Agência Brasil

O carnaval se transformou em mais uma polêmica na Venezuela entre o governo e a oposição. A festa, tradicionalmente celebrada no país, não terá este ano o apoio de alguns governadores e prefeitos de oposição, que anunciaram que não pretendem promover programações carnavalescas em respeito à morte de pelo menos 15 pessoas que participavam dos protestos contra o governo.

O presidente Nicolás Maduro, no entanto, manteve a programação nacional de carnaval e decretou feriado hoje (27) e amanhã (28), prolongando os dias de descanso até a Quarta-Feira de Cinzas (5). O feriado homenageia os 25 anos da morte de pessoas que protestavam contra medidas neoliberais durante o governo de Carlos Andrés Pérez. Conhecido como Caracazo, o movimento deixou 300 mortes (de acordo com números oficiais), causadas pela polícia e o Exército venezuelanos na época.

Com o feriado decretado, os venezuelanos terão até quarta-feira (5) para descanso ou viagens. O governo de Nicolás Maduro tem incentivados viagens às praias ou para as montanhas, no interior do país, e também reforçado que o carnaval é uma festa que deve ser celebrada "como tradição cultural no país".

Nessa quarta-feira (26), ao receber camponeses e indígenas, o presidente Nicolás Maduro disse que a "palavra de ordem é lutar, dançar e vencer". Ele acusou a oposição de querer probir o carnaval. "Nem nas piores ditaduras que vivemos, nós deixamos de desfrutar o carnaval, o que vão querer fazer depois? Proibir a Semana Santa?", questionou em Miraflores, pouco antes de dar início à Conferência Nacional de Paz, que reuniu diversos setores da sociedade, como políticos, empresários e lideranças de movimentos da sociedade civil. A oposição, entretanto, não participou do encontro.

Com relação ao carnaval, algumas prefeituras como a de Chacao, no estado de Miranda, alegam que não programarão eventos carnavalescos em respeito ao luto das famílias que perderam parentes durante os protestos.

Além disso, o movimento estudantil e os opositores fazem o movimento contrário ao do governo e pedem que os manifestantes se mantenham nas cidades e em protesto. Nas redes sociais, como o Twitter e o Facebook, manifestantes fazem convocações para que todos continuem protestando nas ruas do país e para que os venezuelanos não viajem para o carnaval.

Ontem, uma manifestação de mulheres opositoras pediu o fim da violência e homenageou os jovens mortos nos confrontos. Em entrevistas a agências de notícias internacionais e a jornais opositores locais, elas disseram que estavam protestando por justiça e disseram que não havia "clima para carnaval".

Tags: crise, maduro, oposição, política, Venezuela

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.