Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Internacional

Colômbia retoma diálogo para selar paz com guerrilha

Agência Brasil

Negociadores do governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) retomam hoje (24) os diálogos pelo fim do conflito armado no país, em Havana, Cuba. Este é o 21º ciclo de conversações: o tema discutido é uma solução para o problema da drogas ilícitas, terceiro item da agenda de seis pontos.

A expectativa na Colômbia é que a mesa possa anunciar, ao terminar esta rodada de negociação, acordo parcial sobre o tema. Ao terminar o ciclo passado, os negociadores divulgaram que “haviam conseguido chegar a um esboço sobre de um acordo parcial” para a questão das drogas.

No encerramento da rodada anterior, na primeira quinzena de fevereiro, os negociadores não adiantaram detalhes sobre os avanços. Em entrevistas e declarações tanto de representantes do governo, quanto das Farc, há indicações de que o “avanço na negociação” diz respeito à criação de um programa de substituição de cultivos ilícitos (de coca, maconha e papoula).

O programa incluiria a substituição e a recuperação ambiental de áreas afetadas pelas plantações ilegais. Há também a expectativa de que o governo possa adotar a descriminalização do plantio em comunidade indígenas para cultivos “medicinais”.

Em janeiro, as Farc apresentaram proposta de substituição de cultivos e de regulação da produção de folhas de coca, papoula e maconha.

A Colômbia ainda é um dos maiores produtores mundiais de cocaína e de maconha, apesar da continuidade da política militar de apreensão, desmantelamento de laboratórios, prisão de narcotraficantes e destruição de cultivos.

O presidente Juan Manuel Santos já declarou-se favorável a uma mudança na política de drogas. “Combatemos de todas as maneiras possíveis e o negócio ilegal continua [a funcionar], por isso temos que discutir um novo caminho”, disse.

Tags: comunidade, Governo, incluiria, indígenas, programa

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.