Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Internacional

Confrontos deixam quatro mortos e 60 feridos na Tailândia

Agência Brasil

Pelo menos quatro pessoas morreram hoje (18) e 60 ficaram feridas em confrontos entre as forças de segurança e manifestantes antigovernamentais na capital da Tailândia, Bangcoc. Entre os feridos, há policiais e dois jornalistas estrangeiros. O incidente desta terça-feira registrou disparos e explosões, quando a polícia tentava desmontar um dos acampamentos de manifestantes e deteve um dos líderes da oposição, Somkiat Pongpaibul, que foi libertado posteriormente.

Um policial e um manifestante de 52 anos foram mortos a tiros.  As mortes de outros dois civis ainda não foram esclarecidas. Autoridades tailandesas informaram que os policiais foram atacados com lança-granadas militares, informação negada pelos manifestantes. O confronto violento entre policiais e manifestantes começou na manhã de hoje. As autoridades usaram uma escavadora para demolir parte das barricadas e dos acampamentos levantados pela oposição.

Os manifestantes antigovernamentais reiteraram que vão defender, a qualquer custo, os acampamentos que mantêm em vários pontos da capital, incluindo o que fica em um complexo governamental, no Ministério do Interior e na zona próxima à sede do governo.

A polícia tailandesa iniciou uma operação contra vários acampamentos de manifestantes que, desde o dia 13 de dezembro, ocupam várias avenidas e edifícios governamentais na capital. Cerca de uma centena de manifestantes que ocupavam o Ministério da Energia foram detidos por violação do estado de emergência. De acordo com o Conselho de Segurança tailandês, não houve resistência às autoridades.

Essa foi a primeira detenção em grande número feita pelas autoridades tailandesas desde que começaram os protestos que exigem a demissão da primeira-ministra interina, Yingluck Shinawatra. Os episódios resultaram, até agora, em 12 mortos e mais de 600 feridos.

O movimento antigovernamental exige a criação de um conselho não eleito para reformar o sistema político, que considera corrupto e a serviço dos interesses do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, irmão da premiê interina - que enfrenta acusações de uma comissão anticorrupção, por suposta negligência em um programa de subsídios à produção de arroz. O governo tailandês ainda não marcou eleições no país, depois do boicote ao último pleito, no começo de fevereiro.

Tags: antigovernamentais, capital, libertado, manifestantes, Policial

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.