Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Internacional

Itália critica acusação de terrorismo contra militares

Agência ANSA

O primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, criticou nesta segunda-feira (10) as autoridades indianas por proporem a aplicação da pena contra crimes de terrorismo e pirataria a dois fuzileiros navais italianos presos desde 2012 no país.

"É inaceitável a acusação proposta pelas autoridades indianas. O uso do conceito de terrorismo será rejeitado. A Itália e a União Europeia reagirão", disse o premier em seu perfil no Twitter, comentando o pedido da Procuradoria da Índia de aplicar a lei antiterrorismo contra os dois italianos.

A Procuradoria, porém, pede a aplicação da lei em uma versão "mais leve", ou seja, sem a possibilidade de pena de morte. Dessa forma, os militares poderiam pegar até 10 anos de prisão.

Em um comunicado, o governo italiano também rejeitou a acusação, afirmando que a "aplicação da lei antipirataria é absolutamente incompreensível. A Itália não é um país terrorista", afirmou a nota.

A ministra das Relações Exteriores da Itália, Emma Bonino, disse que a atitude da Índia significa que o país considera "a Itália um Estado terrorista". A chanceler cogitou ainda levar o caso aos tribunais das Nações Unidas.

Por sua vez, o vice-presidente da Comissão Europeia, Antonio Tajani, também garantiu que "fará de tudo" para que a União Europeia apresente uma forte reação ao caso, em apoio à Itália.

A Suprema Corte de Nova Delhi marcou para o próximo dia 18 de fevereiro uma audiência para examinar o recurso judicial do governo italiano. O ministro italiano da Defesa, Mario Mauro, está na Índia para acompanhar o caso.

Os dois militares italianos Massimiliano Latorre e Salvatore Girone são acusados do homicídio de dois pescadores no dia 15 de fevereiro de 2012, quando estavam em serviço a bordo de uma petroleira italiana perto do estado do Kerala.

Tags: acusações, crise, índia, italianos, soldados

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.