Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Internacional

Dom Odilo Scherer nega saber de fraudes no Banco do Vaticano

Agência ANSA

O cardeal e arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, afirmou em entrevista à imprensa brasileira que não tem conhecimento de fraudes ou desvios de dinheiro dentro da Santa Sé.

Esse foi o primeiro pronunciamento do religioso desde seu afastamento da comissão que supervisiona o Instituto para as Obras de Religião (IOR), também conhecido como Banco do Vaticano.

A decisão de afastá-lo foi tomada na semana passada pelo Papa Francisco. Odilo disse que se sentiu "injustiçado" pelos comentários que relacionaram seu afastamento aos supostos desvios de dinheiro.

 "Acho que foi feita injustificadamente uma associação entre uma coisa e outra. Foi uma decisão autônoma e soberana do Papa. Não tenho nada a dizer, só a agradecer", comentou.

O cardeal, que tinha sido nomeado para o grupo de controle do IOR em fevereiro de 2013 pelo Papa Bento XVI, também falou que as trocas dentro de organismos e comissões são "normais" com a posse de um novo Pontífice.

"São cargos de confiança, e o Papa decidiu mudar. Mudou o secretário de Estado, era a coisa mais natural que mudasse a equipe", disse, referindo-se à nomeação de Pietro Parolin para a Secretaria de Estado da Santa Sé.

Questionado sobre os supostos casos de fraude e desvios no IOR, Odilio disse que "não tem conhecimento". "O que sei é que há um controle muito mais severo quanto à abertura de contas, a movimentação de capitais", comentou.

"O controle sobre o IOR não está começando agora. O papa Bento XVI já havia baixado ordens para adequar a gestão às normas de transparência, às questões de contas obscuras, lavagem de dinheiro. É um esforço que vem de mais tempo e que deve ser constante. Onde há dinheiro, há tentação", afirmou.

Tags: banco, comissão, papa, Santa, se, vaticano

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.