Jornal do Brasil

Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Internacional

Clarín faz análise do regime democrático na Argentina nos últimos 30 anos

Jornal do Brasil

O jornal argentino Clarín publicou nesta segunda-feira (23/12) uma avaliação dos momentos mais importantes da democracia no país. Segundo o jornal, três fatos históricos ocorridos nos últimos 30 anos merecem destaque. "Um: Quando em 1987, na Páscoa, as pessoas superaram a tentativa de alcançar a impunidade de um exército genocida, pintaram os rostos. (...) Também em dezembro de 2001, quando ele terminou um 'estado de sítio', que apreendeu as economias dos cidadãos, mas não para alguns que permaneceram no anonimato. E em 2007-2008, mais uma vez, quando um novo ator social, o agricultor e pequeno produtor agrícola, ganhou o ponto de vista de defesa dos seus interesses setoriais", destaca a matéria.

O Clarín diz que a democracia dos últimos 30 anos teve apenas os governos liderados por peronistas e radicais. Este último terminou abruptamente, abalado por uma hiperinflação, má gestão e crise de confiança. "Se o país continua a diminuir, o que se expressa em todos os índices importantes e, em particular, em uma educação crítica e a estratégica que caiu sistematicamente, é expressa com o golpe de 24 de Março de 1976 que vai continuar", diz o texto.

O colapso social e político que veio à tona nos últimos dias, segundo as análises do veículo de comunicação, demonstra a essência o aparecimento de uma outra democracia.

O debate sobre a profundidade da crise não é uma questão da esfera intelectual, é levantada pelos acontecimentos que movem os argentinos nos últimos tempos, "uma vez que o 'acidente' à corrupção estrutural é relatado a cada dia, com saques feitos por uma multidão de pessoas que não 'trabalham', mas é tentado a roubar, enquanto índices educacionais vergonhosos estão a cair. É evidente que o papel do Estado na política pública é o cerne da questão. De fato, 30 anos depois de dezembro de 83, o regime democrático na Argentina ainda está pendente", destaca a matéria do Clarín. 

Tags: Argentina, Corrupção, democracia, interesses, peronistas, radicais, sociais

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.