Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Internacional

'Japan Times': reforço na defesa não vai trazer segurança para o Japão

Jornal do Brasil

A decisão do Conselho de Ministros do Japão considerou que a política de defesa do país é altamente problemática, porque está apoiada em aumentar a sua capacidade sem uma auto-contenção. Ao contrário da intenção do primeiro-ministro Shinzo Abe de tornar mais seguro o Japão, a nova política de segurança oferece risco de aumento da tensão no nordeste da Ásia e desestabiliza o ambiente de segurança em torno do país, reduzindo a defesa. As afirmações estão na edição desta sexta-feira (20), de um dos maiores veículos de comunicação do país, o Japan Times (JT). 

O JT informou que na última terça-feira (17), o Conselho de Ministros aprovou uma estratégia de segurança nacional (NSS), que é a primeira diretriz abrangente do país, voltado para a política de segurança e diplomacia, em conjunto com um novo esboço do programa de defesa e ainda outro novo programa de acúmulo do setor que terá a duração de cinco anos. O JT avalia que, por trás da decisão, há um acúmulo militar da China e suas tentativas de aumentar a presença militar no nordeste da Ásia, bem como os programas da Coreia do Norte de desenvolver armas e mísseis nucleares. 

O veículo japonês ressalta o NSS garante que o Japão tem seguido a política básica de manter uma postura fiel de defesa, abstendo-se de se tornar uma potência militar e mantendo os princípios de não fabricar, não possuir e não permitir a entrada de armas nucleares, e manterá firme em prol de uma nação do pacifismo. Porém, o conteúdo da nova política de defesa mostra que essa declaração é questionável e a administração de Abe está claramente tentando acabar com a postura estritamente tradicionalmente defensiva do pós-guerra, segundo o JT. 

O jornal diz ainda que a decisão do ministro Abe está claramente tentando acabar com a postura estritamente defensiva tradicional do pós-guerra do Japão, prejudicando assim o princípio de não guerra que está na Constituição japonesa. Já o NSS diz que o Japão vai contribuir para a paz, a estabilidade e a prosperidade da comunidade internacional, através do pacifismo ativo. O que o ministro Abe quis dizer com essa frase é que ele planeja reverter a interpretação tradicional do governo e da Constituição, renúncia à guerra, Artigo 9º que Japão não vai exercer o seu direito inerente de legítima defesa coletiva. Isso levaria a participação das Forças de Defesa. O ministro disse ainda que “em operações militares em países estrangeiros, na maioria dos casos, em cooperação com os Estados Unidos”. Uma expansão dos papéis do SDF desta forma iria destruir completamente o princípio de não guerra da Constituição. O ministro não explicou por que o exercício de direito de legitima defesa irá beneficiar o Japão. 

O JT informa também que o ambiente de segurança que cerca o Japão está se tornando perigoso, como mostra uma recente criação da China, uma zona de identificação de defesa aérea que inclui as ilhas Senkaku , que pertencem a Prefeitura de Okinawa, no Mar da China Oriental . Em um esforço para aumentar as capacidades da SDF, o novo esboço do programa de defesa apela para a construção do “poder de defesa flexível integrado.” Por exemplo, serão introduzidos 17 aviões de transporte, três Globais Hawk aviões de reconhecimento não tripulada, mais dois destróieres Aegis, mais cinco submarinos, 52 veículos anfíbios e uma unidade de combate anfíbio móvel. Uma vez que esse acúmulo de defesa começar , essa tendência vai se tornar aparente para os vizinhos. Ele poderia desencadear uma corrida armamentista na região, agravando o ambiente de segurança em torno do Japão.

Esse ambiente é propenso a dar origem a contingências que poderiam levar a conflitos militares. A administração do ministro Abe deve considerar como ter o melhor SDF servir como um elemento dissuasivo para tais contingências. Em vez disso, parece operar sob a ilusão de que o uso da força em última instância poderia resolver a difícil situação que o Japão encontra-se. Se a administração ignorar os esforços diplomáticos, a situação vai piorar, afirma a matéria do jornal japonês.

O NSS diz em parte que o Japão vai fazer esforços para construir um relacionamento benéfico estratégico com a China e vai se esforçar para construir um sistema que impede o desenvolvimento de contingências perigosas. Mas, dado o comportamento da administração do ministro Abe , questiona-se se o Japão está pronto para ir nesta direção. Esses esforços, se o Governo investir seriamente neles, implicaria na instalação de uma linha direta entre os governos japonês e chinês e da introdução de medidas de confiança entre o SDF e as forças armadas chinesas.

O governo Abe está pensando na proibição de armas e exportação. Isto significaria descartar um trunfo diplomático importante do Japão pós-guerra, que tem ajudado o país a ganhar a confiança da comunidade internacional. O governo deve defender a proibição de armas de exportação e evitar o surgimento de uma situação em que armas e tecnologias do Japão poderiam ser usadas em conflitos no exterior.

O veículo informa ainda que o esboço do programa de defesa diz que tendo em vista a melhoria das capacidades de mísseis balísticos norte-coreanos, o Japão vai tentar melhorar a sua capacidade de lidar com eles “de uma forma abrangente.” Neste contexto, um funcionário do Ministério da Defesa disse que o Japão vai estudar se o SDF deve ter capacidade para atacar bases militares em território inimigo. Possuindo tais capacidades não só seria caro, mas também desencadearia uma corrida armamentista e aumentaria as tensões regionais. E também iria perturbar o equilíbrio na divisão de papéis na cooperação de defesa entre o Japão e os EUA, introduzindo assim um elemento de instabilidade na relação de segurança. O ministro Abe não deve esquecer que o próprio EUA desconfia de movimentos do Japão para possuir capacidades para atacar bases inimigas.

Como forma de fortalecer a infra-estrutura social para a defesa, o NSS salienta a importância de cultivar o amor das pessoas do Japão e sua província natal. Isso não é nada menos do que uma tentativa do governo para invadir pensamentos e a consciência das pessoas, um esforço que poderia levar, como a história do século 20 mostra, uma atmosfera de opressão na sociedade japonesa.

O JT finaliza a matéria informando que juntamente com a promulgação da lei de segredos de Estado e da criação do Conselho de Segurança Nacional, a nova política de defesa do governo Abe poderia transformar o Japão em uma nação que coloca uma forte ênfase em suas capacidades militares. Este, por sua vez, poderia seduzir os países vizinhos a responder por mais reforçando seus próprios militares, e considerar soluções militares de preferência aos problemas diplomáticos.

Em vez de definir para si o objetivo de mudar a Constituição de - renúncia à guerra artigo 9 º, Abe deve concentrar seus esforços em aperfeiçoar a diplomacia para evitar contingências relacionadas com a segurança de risco de surgir. 

É deplorável que a sua administração, sem discussões públicas, tem adotado uma política de defesa que irá mudar drasticamente a natureza fundamental do Japão pós-guerra. Forças políticas de oposição devem parar seus movimentos, finaliza a reportagem. 

Tags: abr, DEFESA, Japão, Jornal, Ministério

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.