Jornal do Brasil

Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Internacional

Morte de Mandela comove a Itália, diz Letta

Agência ANSA

O primeiro-ministro italiano Enrico Letta expressou nesta sexta-feira (6) seu pesar pela morte do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, assim como o presidente italiano, Giorgio Napolitano.

    "Senhor presidente, o desaparecimento de Nelson Mandela provocou profunda emoção no povo italiano, que na figura do primeiro presidente negro da República Sul-africana viu um exemplo de compromisso generoso a favor dos direitos e das razões da integração", escreveu Letta em uma mensagem ao presidente sul-africano Jacob Zuma.

    "São estes os valores nos quais se inspira a ação que o Governo italiano pretende seguir com força e determinação, com o objetivo que o nosso país e a nossa Europa saibam se espelhar no exemplo da longa batalha liderada por Madiba", escreveu o premier.

    "Ao senhor presidente, e para a amiga Nação sul-africana, cheguem às expressões da minha mais viva participação a uma dor que todos nós sentimos nos nossos corações e a segurança que a Itália não esquecerá a lição que Nelson Mandela nos ensinou", encerrou Letta.

    Por sua vez, o presidente italiano afirmou que recebeu a noticia da morte do Premio Nobel da Paz com comoção. "Recebei com comoção e grande tristeza o desaparecimento do ex-presidente e Prêmio Nobel da Paz Nelson Mandela", escreveu Napolitano em uma mensagem a Zuma.

    "Demonstrou que um mundo mais equilibrado e solidário, onde diversidade é sinônimo de riqueza, é possível", afirmou ele.

    "Seu insubstituível desejo pela liberdade, pela dignidade e igualdade teve razão diante da barbárie do apartheid", destacou o presidente italiano. "Ter sabido presidir uma transição pacifica do seu pais, marcada na verdade e na reconciliação, do apartheid para a convivência democrática, continua sendo um mérito seu que nunca será apagado. É um exemplo que sobrevive, junto com seus ideais e a sua extraordinária herança moral. Estes passam para as gerações futuras e a todos aqueles, na África do Sul e no mundo, que lutam para constituir uma sociedade mais justa e inclusiva que fogem da violência", escreveu Napolitano.(ANSA) Mandela morreu ontem aos 95 anos de idade em sua casa em Joanesburgo, após enfrentar por meses problemas de saúde causados por uma infecção pulmonar. (ANSA)

Tags: líder, Mandela, Nobel, PAZ, SAÚDE

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.