Jornal do Brasil

Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Informe JB

O "providente" acidente da Chevron

Jorge Lourenço

É difícil acreditar, mas teve político quase comemorando o acidente no poço explorado pela norte-americana Chevron. Para eles, o vazamento de 600 barris de petróleo na Bacia de Campos foi a maneira mais efetiva de mostrar aos estados não produtores o risco da exploração de petróleo em alto mar. A empresa ainda divulgou que vazamentos como esse são "normais" na região, o que apimentou ainda mais o debate ecológico. 

Acidentes polêmicos

Assim como algumas das maiores companhias de extração de petróleo do mundo, a Chevron acumula um histórico de acidentes polêmicos. Em 2002, a empresa foi a primeira grande multinacional multada por um país africano por danos ao meio ambiente graças a um vazamento na costa da Angola. A maior polêmica, no entanto, aconteceu bem perto do Brasil. No Equador, a Chevron foi condenada a pagar uma multa recorde de US$ 9 bilhões de dólares (quase R$ 16 bilhões) por danos ambientais no campo de exploração de Lago Agrio. 

Até hoje a empresa se recusa a pagar a quantia e se diz vítima de um julgamento injusto na corte equatoriana. O incidente inspirou o aclamado documentário "Crude", dirigido por Joe Berlinger. 

Aliás

A briga em torno dos royalties tem irritado políticos de Campos. Isso porque alguns parlamentares argumentam, em Brasília, que o município ocupa apenas o 55º lugar no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano entre as cidades cariocas, o que evidenciaria o uso indevido dos recursos do petróleo. O problema é que o dado é de 2000, quando a distribuição dos royalties do petróleo ainda era bem menor. 

Tags: Brasília, Campos, Equador, Petróleo, acidente, angola, bacia de campos, chevron, crude, exploração, idh, lago agrio

Compartilhe: