Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Novembro de 2017

Informe CNC

Pesquisas, estudos, análises e informações sobre
o comércio de bens, serviços e turismo.

Vanessa Grazziotin cobra do governo mudanças em pontos da reforma trabalhista

Informe CNC

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) cobrou a edição de uma medida provisória para modificar alguns pontos da reforma trabalhista, aprovada em julho pelo Senado. Ela lembrou que durante a votação do texto foi fechado um acordo entre os próprios integrantes da bancada governista, segundo o qual Temer faria correções na proposta por meio vetos e de medidas provisórias.

A senadora lembrou que há 53 dias a sociedade aguarda por essas providências do Poder Executivo. Vanessa Grazziotin informou ainda ter ouvido do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que as regras da reforma trabalhista só passarão a valer em novembro próximo. Por isso a medida provisória ainda não teria sido enviada ao Congresso Nacional.

Senadora Vanessa Grazziotin lembrou que durante a votação do texto foi fechado acordo entre os integrantes da bancada governista, segundo o qual Temer faria correções na proposta por meio vetos e de medidas provisórias
Senadora Vanessa Grazziotin lembrou que durante a votação do texto foi fechado acordo entre os integrantes da bancada governista, segundo o qual Temer faria correções na proposta por meio vetos e de medidas provisórias

Na avaliação da senadora, não há razão para esperar por novembro, uma vez que as empresas já estão se organizando para atender às novas normas. Disse também ser necessário garantir segurança jurídica a empregados e empregadores.

"O acerto foi que se aprovaria do jeito que estava porque haveria a edição de uma medida provisória. E essa medida provisória é necessária para corrigir inúmeras arbitrariedades. Há tanta imoralidade contra o trabalhador que o próprio Ministério Público Federal entrou com uma ação de inconstitucionalidade, já da lei que recém foi aprovada."

Fonte: Agência Senado

Tags: arbitrariedades, cobrança, medida provisória, reforma trabalhista, senado

Compartilhe: