Jornal do Brasil

Acervo

Cientistas revelam pterossauro de 200 milhões de anos 'feito para voar'

Jornal do Brasil

Cientistas divulgaram nesta segunda-feira (13) uma espécie desconhecida de pterossauro gigante, as primeiras criaturas com espinha dorsal adaptadas para voar de forma autônoma.

Nem dinossauros nem pássaros, os pterossauros surgiram durante o período Triássico Superior, mais de 200 milhões de anos atrás, e reinavam sobre céus, até que uma rocha espacial maciça se chocou contra a Terra, acabando com os dinossauros e muitas outras formas de vida, há cerca de 65 milhões de anos.

O recém-descoberto membro da família, identificado por meio de restos encontrados no nordeste de Utah, tinha uma envergadura de asas de 1,5 metro e 112 dentes, incluindo espinhos semelhantes a presas perto do focinho.

Uma mandíbula saliente sugere uma bolsa com a de um pelicano, talvez para pegar peixes e pequenos répteis.

São animais "feitos para voar", disse Brooks Britt, paleontólogo da Brigham Young University, em Utah, e autor principal de um estudo publicado na revista Nature Ecology & Evolution.

Caelestiventus hanseni é provavelmente o esqueleto mais completo de um pterossauro já encontrado. O novo espécime compreende dezenas de ossos e dentes intactos, junto com um invólucro inteiro do cérebro.

As asas são, na verdade, membranas da pele em grande parte presas pelo quarto "dedo" de seus membros anteriores. Enormes cavidades sugerem que C. hanseni tinha uma "visão fantástica", disse Britt.

Quando não planavam em busca de uma refeição, andavam com os quatro membros apoiados e as asas dobradas verticalmente.

Os restos fósseis ainda estão envoltos em arenito, mas os cientistas geraram imagens precisas em 3-D e modelos de cada osso usando a tecnologia de tomografia computadorizada.

O local onde C. hanseni foi desenterrado, conhecido por caçadores de fósseis como Saints & Sinners, revela uma dramática história de sobrevivência e extinção local em face da mudança climática, disseram os pesquisadores.

As rochas em que foi encontrado faziam parte de um oásis em um deserto de dois milhões de quilômetros quadrados coberto por dunas de areia gigantes.

"Durante as secas, um grande número de animais - incluindo pterossauros, dinossauros predadores e crocodilomorfos - foram atraídos para a poça no meio do oásis, onde morreram quando a água secou", disse Britt.

O resultado foi um tesouro de mais de 18.000 ossos e fragmentos de dezenas de animais privados de água.

C. hanseni não é o maior pterossauro já encontrado, mas provavelmente foi o maior de sua era, especialmente para um ambiente desértico.

Também é anterior a outros espécimes do deserto em cerca de 65 milhões de anos. Os pterossauros do mesmo período encontrados até agora vieram de áreas costeiras antigas no que é hoje a Europa e a Groenlândia.

O fato de que as criaturas que voam alto estavam espalhadas por grande parte do globo pode tê-las ajudado a sobreviver à extinção em massa do fim do Triássico, que exterminou metade das espécies em terra e no mar.



Tags:

Recomendadas para você