Jornal do Brasil

Acervo

'Brincadeira' machista de torcedores na Rússia envergonha Brasil

Jornal do Brasil

O vídeo viralizou rapidamente: um grupo de jovens com a camisa da seleção brasileira cerca uma jovem russa, enquanto gritam em português "Boceta rosa, boceta rosa!", incentivando-a a repetir a frase, sem que ela entenda nada.

Esta "brincadeira" machista não foi a única revelada nestes poucos dias de Copa do Mundo na Rússia. Há também argentinos e peruanos que ensinam às russas falar em espanhol que querem fazer sexo oral neles, ou que querem transar com eles.

Mas com os movimentos feministas crescendo fortemente no Brasil e nos países vizinhos, essas atitudes são cada vez menos toleradas.

"Não é engraçado. É machismo, misoginia e vergonha, muita vergonha", escreveu em seu Instagram a modelo e apresentadora Fernanda Lima, que participou do sorteio da Copa do Mundo no Brasil, em 2014.

"Que vergonha", fez coro a namorada de Neymar, a atriz Bruna Marquezine.

"Falta de lisura, de educação, de hombridade. Sinto tanta vergonha por vocês, garotos", reagiu a cantora Ivete Sangalo.

Textos semelhantes de repúdio foram compartilhados por atrizes como Bruna Linzmeyer e Mônica Iozzi, como também por políticas como a deputada federal do PT-RS Maria do Rosário.

A "brincadeira" não teve o mesmo repúdio unânime dos homens, mas foi tão comentada que gerou reação do Ministério brasileiro das Relações Exteriores.

"A imensa maioria dos torcedores brasileiros é pacífica e respeitosa", manifestou o Itamaraty ao jornal Folha de S.Paulo.

A chancelaria reafirmou à AFP que publicou um guia para os cidadãos que viajaram à Rússia para ver a Copa com "recomendação expressa contra atos de violência verbal, visual ou física, em especial atos que insultem ou humilhem uma pessoa".

"Denúncias sobre qualquer tipo de infração à legislação russa são recebidas e apuradas pelas autoridades daquele país", assinalou o ministério das Relações Exteriores.

Entre os jovens do vídeo foi identificado um policial de Santa Catarina, contra quem a sua corporação abrirá um "processo administrativo disciplinar", segundo a imprensa.

Também apareceu um advogado que foi secretário de Turismo em Ipojuca, Pernambuco.

O Brasil é um dos 10 países no mundo com mais assassinatos de mulheres. A cada dois segundos uma mulher é vítima de violência física ou verbal no país, segundo dados do Instituto Maria da Penha.

csc/js/cb/mvv



Tags:

Recomendadas para você