Jornal do Brasil

Acervo

Jungmann: prazo para resolver caso Marielle é semelhante ao de outros crimes

Jornal do Brasil

Em entrevista na manhã desta quarta-feira, 13, à rádio CBN, o ministro extraordinário da Segurança, Raul Jungmann, afirmou que o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, ocorrido em 14 de março, está levando aproximadamente o mesmo tempo para ser solucionado que outros crimes de grande repercussão no Rio.

Ele citou como exemplo o desaparecimento do pedreiro Amarildo, na Rocinha (zona sul do Rio), em 2013, e a execução da juíza Patrícia Acioli, em Niterói, em 2014. Nesta quinta-feira, 15, a morte de Marielle e Anderson completa três meses sem solução.

"Eu tenho como parâmetro o caso do Amarildo, que levou aproximadamente de 90 a cem dias, se não me falha a memória, e o caso da Patrícia Acioli. (Esses casos) foram desvendados pela mesma equipe que está investigando o caso da Marielle", afirmou.

O ministro ressaltou que a mobilização para a solução do caso é intensa. "A Polícia Federal está colaborando intensamente, todas as outras áreas de inteligência (também estão colaborando) para que se possa construir provas e chegar até o executante e também até o mandante desse crime", disse. "É do interesse de todos que seja esclarecido", continuou.

Jungmann lembrou, no entanto, que um complicador no caso das mortes de Marielle e Anderson é que a motivação do crime é desconhecida: "O que acontece é que esse é um crime de desvendamento complexo. Pelo menos até onde eu saiba, e eu devo voltar ao Rio esta semana, não se tinha informação do motivo. Qual foi a ameaça? Qual foi o conflito em que Marielle se envolveu para que acontecesse essa tragédia que aconteceu com ela?"

>> Anistia Internacional cobra atuação mais ativa do MP no caso Marielle



Tags:

Recomendadas para você