Jornal do Brasil

Acervo

Controle ?nanceiro e o risco à democracia

Jornal do Brasil BENEDITO TADEU CESAR*

Em todo o mundo, a democracia liberal e os direitos sociais estão em crise por não serem funcionais à economia globalizada sob o controle do setor financeiro. 

O encarecimento da produção, fruto da fantástica incorporação de tecnologia, tornou o capital privado insuficiente para suprir suas necessidades de sobrevivência e expansão. Isenções e incentivos fiscais, financiamentos, inclusive para inovação do próprio setor tecnológico, são cada vez mais fornecidos pelo Estado. 

Por isso, a democracia liberal - com a livre disputa pelo poder político e pela destinação dos recursos públicos - está ameaçada, pois esses recursos são destinados também a garantir aos cidadãos direitos à saúde, educação, segurança pública e previdência social. 

No Brasil, percebe-se que o recuo democrático é intenso. Hoje, em crise profunda, sofrendo o pior processo de desindustrialização já ocorrido no mundo, o Brasil é palco de uma luta feroz pela apropriação dos recursos públicos. O incipiente estado de bem-estar social está sendo desmontado para garantir o ganho de poucos. País mais desigual do mundo, o Brasil é também um dos países mais violentos, não obstante detenha a terceira maior população carcerária, além de possuir  a polícia que mais mata e também a que mais morre em todo o mundo.

O combate à corrupção, necessário sempre, foi transformado no grande mote nacional, por ser bandeira de fácil entendimento pelos que se informam superficialmente sobre as questões públicas e se encantam com soluções mágicas. Os novos justiceiros, encastelados no Judiciário, no Ministério Público e na grande mídia, auxiliados por grupos de extrema-direita, atropelam as leis, insuflam o ódio e criam uma polarização falsa e irresponsável. 

Ao arrepio da Constituição e dos procedimentos jurídicos usuais, prenderam o maior líder popular do país, que detém o dobro das intenções de voto de seu adversário mais próximo. 

Mesmo preso, Lula da Silva continua sendo a grande referência política. As decisões de todo o espectro político dependem da presença ou não do ex-presidente na disputa eleitoral. Mesmo preso e impedido de concorrer, a indicação de Lula poderá levar o candidato ao 2º turno. A menos que não haja eleições. As pesquisas indicam que aquele que ele indicar tem, hoje, o mesmo percentual de intenções de votos que o candidato da extrema-direita. 

Neste cenário, o centro político tem papel decisivo no processo de fascistização ou não da sociedade no Brasil. Em países onde o fascismo se instalou, ele contou com a omissão do centro, que acreditou ser capaz de controlá-lo e utilizá-lo para derrotar as esquerdas. Fascistas não são controláveis, eles precisam ser retirados da vida política e o meio pacífico para isso é refazer o diálogo nacional, reconstruir a democracia e suas instituições. 

O diálogo possível, hoje, passa pela libertação de Lula e pelo esforço das principais lideranças políticas, agentes públicos e forças econômicas de respeitar os limites constitucionais. A democracia é, sem dúvida, um valor universal, não é de esquerda ou de direita. É uma conquista da civilização.

* Professor aposentado de Ciência Política da UFRGS



Tags:

Recomendadas para você