Jornal do Brasil

Acervo

Bolsa fecha em forte alta e dólar cai no primeiro dia útil do ano

Jornal do Brasil

O principal índice da bolsa de valores paulista fechou em alta nesta terça-feira (2), primeiro dia útil de 2018. A bolsa atingiu pontuação recorde de fechamento, mantendo o bom humor dos investidores, em meio às articulações para aprovação de reformas, como a da Previdência.

O Ibovespa fechou com alta de 1,95%, a 77.891 pontos. 

Às 10h15, o Ibovespa avançava 0,72%, a 76.950 pontos.

ÀS 12h46, o índice avançava 1,47%, a 77,527 pontos.

A pausa dos trabalhos no Congresso tirou parte da pressão sobre os ativos, o que levou investidores às compras, de olho nos mercados internacionais.

Nos destaques do dia, a Usiminas subiu 5,49% nas ações preferenciais, ao lado da Gerdau, com avanço de 4,77%. As siderúrgicas foram beneficiadas pela alta das cotações do aço na China e dados positivos na balança comercial brasileira. 

As ações ordinárias da Vale também tiveram avanço de 3,63%, alinhada à alta dos futuros do minério de ferro na China. Já o Itaú Unibanco subiu 3,1%, Bradesco, 2,22%, Banco do Brasil, 3,49%, e Santander, 2,67%. 

No lado negativo, Eletrobras teve queda de 3,79%, e 2,84%, nas preferenciais e ordinárias, respectivamente. 

O índice fechou o último pregão do ano com ganho de 0,43%, a 76.402 pontos, perto da máxima histórica registrada em outubro. No ano passado, o índice acumulou alta de 26,8%. 

O dólar fechou o primeiro pregão do ano com a maior queda ante o real desde maio de 2017. Investidores estão apostando que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região manterá a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Congresso aprovará a reforma da Previdência.

O dólar fechou com queda de 1,64%, a R$ 3,2601 na venda. 

Às 10h19, a moeda dos Estados Unidos recuava 1,08%, a R$ 3,2765 reais na venda.

Às 12h45, a divisa norte-americana caía 1,31%, a R$ 3,2689.

A divisa norte-americana teve a maior queda nos últimos três meses contra uma cesta de moedas, por expectativas do mercado de que o Federal Reserve adotará um ritmo mais lento de aumento dos juros.



Tags:

Recomendadas para você