Jornal do Brasil

Acervo

Anitta comenta acusações de abuso sexual contra diretor de seu clipe

A cantora manterá o lançamento que tem fotografia assinada por Terry Richardson

Jornal do Brasil KARINA KUPERMAN

Um dos mais aguardados lançamentos de Anitta no projeto Checkmate, o clipe "Vai, malanda" está envolvido em uma polêmica. É que o diretor de fotografia Terry Richardson, que assina o projeto, é mais um dos citados numa sequência de escândalos de assédio sexual em Hollywood.

O fotógrafo, que tem como marca os cliques sexys e provocantes, tem sido acusado de constranger modelos e estagiárias em ensaios. Diversas mulheres afirmam que ele já exigiu que elas ficassem em posições "degradantes" durante os cliques. A modelo Emma Appleton chegou a publicar, em 2014, uma mensagem identificada como sendo de Richardson em que ele diz: “Se eu puder transar com você, eu vou te colocar num editorial da Vogue”. As revistas “Vogue” e “Vanity Fair", algumas dos maiores títulos de moda no mundo, pronunciaram-se banindo o profissional de suas fichas técnicas, e marcas como Valentino, Diesel e Bulgari também cancelaram os trabalhos com Terry Richardson. Diante do escândalo, os assessores do fotógrafo enviaram um comunicado em que diziam que "todos os colaboradores dos trabalhos participaram consensualmente dos ensaios". 

Imediatamente após tomar conhecimento do assunto, Anitta se pronunciou: "Solicitei que minha equipe avaliasse o contrato para verificar o que juridicamente poderia ser feito. Estudamos todas as possibilidades, que foram além das questões jurídicas, passando também pelo envolvimento emocional, levando em consideração o imenso trabalho digno de todos os artistas e colaboradores que de alguma maneira fizeram este clipe acontecer", disse ela, que vai manter o clipe. 

"Esse não é um trabalho de uma pessoa só. Manterei minha promessa aos moradores do Vidigal e aos meus fãs lançando o clipe de ‘Vai malandra’ em dezembro deste ano. Mostrando um pouco das minhas origens e mais sobre o funk carioca, do qual me orgulho muito de ser representante", afirmou ela, que fez questão de dizer que é contra qualquer tipo de violência. "Como mulher faço questão de reafirmar que repudio qualquer tipo de assédio e violência contra nós e espero que todos os casos dessa natureza sejam sempre investigados com a relevância e seriedade que merecem”, disse.



Tags:

Recomendadas para você