Jornal do Brasil

Acervo

Partido Operação Lava Jato (POLJ)

Jornal do Brasil MARCUS IANONI

Fatos recentes esclarecem ainda mais que um dos mais importantes grupos de interesse em ação na crise brasileira é o Partido Operação Lava Jato (POLJ). Ele não possui registro eleitoral,mas tenta influenciar as próximas eleições, principalmente a de 2018, com omesmo espírito de soberania que uma corte de magistrados clericais, autoridade decisória máxima em uma teocracia, tem sobre os destinos das nações onde o povo e seus direitos estão subordinados à liderança religiosa, proprietária monopolista da moralidade nacional. O POLJ, braço investigativo-jurídico da coalizão neoliberal-conservadora, quer expelir,de fato,seu principal adversário da competição política democrática e abrir caminho para seus aliados no sistema partidário stricto sensu, a começar pelo PSDB, que é a vanguarda institucional dos interesses do modelo financeirizado e excludente de capitalismo que a oposição deseja restabelecer no Brasil. Aliás, o PSDB já solicitou à Procuradoria Eleitoral a cassação do registro de direito do PT. O braço de comunicação política do POLJ e da coalizão neoliberal como um todo é a grande mídia oligopolizada.

Os líderes do referido grupo de interesse são uma pequena minoria organizada, uma elite dotada de recursos de poder e disposição de luta. Consideram-se semelhantes aos clérigos das teocracias em sua missão purificadora e atuam organizadamente no aparato do Estado: Justiça Federal, Procuradoria Geral da República, Polícia Federal e Ministério Público do Estado de São Paulo. Possuem canal de TV e outras mídias. Como encarnações de emanação divina portadora de pureza moral e zelo pelos bons costumes, usam a força, a autodenominada força-tarefa, com seus instrumentos coercitivos, para implementar umprograma de uma nota só: combater a corrupção nos governos petistas com a intensidade necessária para que Dilma seja deposta, por impeachment, cassação ou renúncia, e Lula seja impedido de concorrer ao próximo pleito presidencial. 

O combate à corrupção é importantíssimo para a melhorar a qualidade da democracia e a Lava Jato possui aspectos inovadores e salutares, a começar por ser a maior operação já realizada na história do Brasil, tendo na linha de frente judicial uma Justiça Federal de primeira instância, no Paraná, que condenou empresários de grande porte, ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras, entre outros réus. Ademais, 53 políticos estão sob investigação da PGR e o STF acaba de tornar Eduardo Cunha réu. Aparentemente, a operação caminharia no sentido de avançar no caráter cego justiça e, portanto, na igualdade democrática perante a lei.

No entanto, cada vez mais a operação explicita a subordinação da repressão aos crimes contra a administração pública ao objetivo político, saindo da esfera do interesse público e ingressando no campo dos grupos de interesse. Exemplos: ao menos em dois acordos de delação premiada, os de Carlos Alexandre de Souza Rocha e Fernando Moura),o nome de Aécio Neves foi citado e associado a propinas volumosas, mas, até agora, ele não é objeto de investigação e nem do denuncismo midiático; as mesmas empresas envolvidas na Lava Jato, que contribuíram para a campanha de Dilma, financiaram também a do PSDB, mas a investigação é exclusivamente focada no campo petista; ex-diretores da Petrobras, condenados, declararam que o esquema de pagamento de propinas das empreiteiras remonta ao governo FHC, mas o POLJ não se importa com isso etc. 

As evidências da partidarização do combate à corrupção já apareceram no contexto das eleições de 2014. Ao se olhar para as ações da coalizão conservadora-neoliberal como um todo, há tempos salta aos olhos que o objetivo maior de seu braço policial-jurídico-midiático, no qual o juiz Sérgio Moro e outros líderes do POLJ participam com suas supostas mãos limpas, é capturar Lula. Trata-se de um programa de justiça seletiva quanto aos fins e aos meios, portanto, não universal, partidária; enfim, é um programa político. Assim, os méritos da Lava Jato vão descendo pelo ralo do interesse político casuístico, conforme demonstram os últimos acontecimentos.

Com um programa conservador e onipotente, as lideranças poljistas pelejamo quanto podem para transformar o semblante do Estado de Direito em sua própria imagem e semelhança, metamorfoseando-o, portanto, em Estado da Direita, ao jogar na lata do lixo a igualdade perante a lei, a isonomia política, o direito à ampla defesa e ao contraditório, a presunção de inocência, o habeas corpus, o respeito à imagem dos investigados, alguns deles escolhidos a dedo etc.Na ação penal 470, seus aliados pioneiros nesse sectarismo puritanista e seletivo lançaram mão, casuisticamente, da teoria do domínio de fato para pescar peixe grande. Entre os excessos atuais, há abuso emprisões preventivas e buscas e apreensões, vazamentos seletivos de informações, inclusive as obtidas em delação premiada, criação de um clima de pré-julgamento por meio da espetacularização midiática das investigações etc. O país vive um clima autoritário de linchamento, induzido pelo POLJ, e o maior alvo são os petistas.

O ápice das violações aos direitos civis foi a condução coercitiva do ex-presidente Lula, demandada pela PGR, autorizada por Moro e executada pela PF, tudo com uma justificativa completamente nonsense: evitar tumultos. Além de sua questionadíssima legalidade – por contrariar o disposto no Art. 260 do Código do Processo Penal e o Art. 5º da Constituição Federal –, a condução coercitiva não evitou tumultos, pelo contrário, acirrou os ânimos no país. Alguns falam até em venezuelização, referindo-se à disputa entre atores políticos que perdura há vários anos no país do falecido Hugo Chávez. Ademais, ao menos por ora e em certa medida, o tiro saiu pela culatra, pois a desastrosa operação vem recebendo críticas em uma dimensão até então inédita.

Enquanto jornais e jornalistas comprometidos com a coalizão conservadora apregoam que a condução coercitiva de Lula atesta que o Brasil possui Estado de Direito e ninguém está acima da lei, o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, disse que ela foi um “ato de força”, um atropelamento das regras. José Gregori, ex-ministro da Justiça de FHC, viu exagero na medida. O investigado nem sequer havia sido intimado para o interrogatório. Ademais, Lula nem precisaria ter falado diante da PF, poderia ter permanecido calado. O ex-ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira afirmou que o STF deve intervir na Operação Lava Jato, que está violando direitos fundamentais. Enfim, Lula sofreu restrição em sua liberdade por parte do Estado, uma violência entre tantas que estruturam a realidade brasileira, mas que, pelo sectarismo dos clérigos da anticorrupção seletiva, atingiu um dos principais ex-presidentes da história desse país, de modo absolutamente desnecessário, a não ser para armar o vergonhoso espetáculo midiático previamente organizado entre o grupo de interesse aqui denominado de POLJ e seus aliados nas corporações de comunicação. Como disse o professor Wanderley Guilherme dos Santos, é hora de dar um basta aos abusos da Lava Jato. Política para quem precisa de política. O Estado Democrático de Direito precisa dela.

* Marcus Ianoni é cientista político, professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF), pesquisador das relações entre Política e Economia e VisitingResearcheAssociate da Universidade de Oxford (Latin American Centre)



Tags:

Recomendadas para você