Jornal do Brasil

Acervo

“Manifestantes são vistos como inimigos pela PM”, diz ativista

Grito dos Excluídos foi realizado na manhã deste domingo (7), Dia da Independência

Jornal do Brasil GISELE MOTTA*

Foram realizadas na manhã deste domingo (7) a Parada Militar de 7 de setembro e também a 20a. edição do Grito dos Excluídos. Enquanto o número de manifestantes chegou a aproximadamente 700, o número de militares fazendo o policiamento era de mais que o dobro, um total de 1.700 homens. 

Tobias Farias é articulador nacional do ato e parte do Fórum das Pastorais Sociais do Rio. Ele reforça que o evento busca a união dos movimentos sociais e a paz. Justamente num ato onde era pedido o fim da militarização da polícia e da criminalização dos movimentos sociais, o clima em diversos momentos foi de tensão, de acordo com ele, graças ao enorme contingente policiais, inclusive com a tropa de elite da PM, o Bope e também pela truculência da polícia. 

Por volta das 12h30, na altura da Central do Brasil, manifestantes queimaram a bandeira nacional e policiais prenderam duas pessoas. Durante a prisão, houve empurra-empurra e os policiais usaram spray de pimenta para afastar os manifestantes. Na confusão, uma mulher também foi presa. Os três foram encaminhados à delegacia. Depois do tumulto, parte dos manifestantes se dispersou, enquanto outro grupo manteve a caminhada até a estátua de Zumbi dos Palmares, onde houve discursos.

“A lógica da policia é a lógica da repressão, da truculência. Tudo poderia ter transcorrido sem nenhum incidente, mas se cria uma tensão muito grande com aquele número imenso de soldados do Bope, armados par a guerra. Nós entendemos que a policia não cumpre seu papel, ela não diminui a violência. A  policia do Rio é a que mais mata e mais morre e está provocando a guerra. É realmente uma lógica de guerra, que somos contra”, comenta.  nós somos contrários a uma lógica de guerra.

>>PM reforça policiamento na área do desfile de 7 de Setembro no Rio

>>Sob forte esquema de segurança, tem início desfile da Independência no Rio

>>Quatro mil militares participam do desfile de 7 de Setembro no Rio

“É uma contradição. Fomos criminalizados e vimos todo o aparato que a polícia tem contra a gente, de uma forma desproporcional”, disse Tomas. Durante a marcha mais uma arbitrariedade foi cometida, segundo manifestantes. Os ativistas que estavam portando instrumentos musicais foram parados e não puderam seguir até que a parada militar, que também conta com instrumentos, fosse finalizada. Segundo manifestantes,o posicionamento de impedir a passagem foi do comando da PM e só houve prosseguimento do ato depois de muita negociação.

“Não somos contrários  a existência da polícia, mas da polícia com lógica militar, que tem um inimigo. A policia não tem um inimigo. E mais importante ainda, nós não somos inimigos. A polícia olha o manifestante, o integrante to movimento social e sobretudo o pobre, como inimigo”, lamenta Tomás. 

*Do programa de Estágio do JB

* *Com informações da Agência Brasil



Tags:

Recomendadas para você