Jornal do Brasil

Domingo, 22 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Heloisa Tolipan

www.heloisatolipan.com.br

Bianca Bin trata crises de ansiedade com microfisioterapia: "Uma reprogramação celular"

A técnica francesa de terapia manual a ajuda a lidar com traumas, dores e frustrações

Karina Kuperman

Depois de revelar o costume de descartar seu sangue menstrual na terra, Bianca Bin entregou um outro hábito curioso de sua vida. A protagonista de "O outro lado do paraíso" contou que é adepta de microfisioterapia, uma técnica francesa de terapia manual para lidar com os traumas. A atriz trata crises de ansiedade assim desde 2009, quando quase teve uma síndrome do pânico. "A minha terapeuta é do interior de São Paulo e vem ao Rio uma vez por mês para cuidar de mim. É uma reprogramação celular a nível de toque. É como se o nosso corpo registrasse as situações traumáticas desde a vida uterina e primeira infância, e esses potinhos vão enchendo toda vez que a pessoa vive um momento parecido por medo, insegurança", explicou.

Bianca Bin

"É como se fossem pastinhas que vão enchendo e precisam esvaziar em algum momento. A técnica é pelo toque. Com o toque, ela vai reprogramando, como se mandasse uma informação para o corpo. A gente não precisa entender, não passa a nível de consciente", afirmou ela, que revelou, ainda, que a técnica a ajudou a não precisar de remédios para transtornos psicológicos. "Na última sessão eu estava completamente triste, aquela tristeza que encosta no peito e dói. Que a dor vira física, vem para fora. Eu não conseguia parar de chorar. No final, eu já não sentia mais a dor física. É como tirar a dor com a mão para mim", conta. "Eu comecei quando tive as primeiras crises de ansiedade em 2009, estava desenvolvendo síndrome do pânico. Essa técnica freou, não precisei tomar antidepressivos e nem medicamentos", disse.



Tags: ansiedade, atriz, bianca bin, celular, crises, cuidados, francesa, físico, karina kuperman, manual, microfisioterapia, o outro lado do paraíso, pânico, reprogramação, sessão, situações, síndrome, terapia, toque, traumas

Compartilhe: