Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Heloisa Tolipan

www.heloisatolipan.com.br

Ecos da SPFW: ainda soturno, Renato Ratier espalha perfume gypsy romeno

Casting exótico contou com a top model Marina Dias, amiga pessoal de Renato

direto de São Paulo

Um dos reis da noite paulistana, Renato Ratier promoveu uma ode às sombras ao eleger a Romênia dos vampiros e dos ciganos como tema para o seu inverno 2017. “Tenho muitos amigos romenos. Toco música romena e já fui pra lá”, justificou o empresário e DJ à coluna.

Looks dramáticos evidenciaram a predileção da coleção por temas obscuros, sombrios e esotéricos. Um casting exótico, que contou com a top model Marina Dias, amiga pessoal de Renato, realçou o perfume gypsy contemporâneo das peças.

(Foto: Agência Fotosite)
(Foto: Agência Fotosite)

Tecidos nobres foram escolhidos a dedo para a coleção. Jacquards receberam a impressão de bordados elaborados, repletos de simbologia, confeccionados com exclusividade na França para a marca. Veludo, renda, lã, tricô completaram a cartela, ao lado do linho e do couro, clássicos da Ratier.

(Foto: Agência Fotosite)
(Foto: Agência Fotosite)

Apesar da noite ser a assinatura da marca, Renato tratou de nos avisar que também desenvolve peças para uso no dia-a-dia, inclusive moda praia. ”Procuro sempre trabalhar uma cartela de cores fiel ao DNA da marca, com preto, marrom, mas desta vez apostamos em duas cores claras para fazer um contraponto”, explicou.

A coleção é see now, buy now, mas ainda não da forma como o empresário almeja. “Sou muito positivo. Obviamente que se estivéssemos vivendo outro momento econômico no país teríamos condições de fazer tudo com muito mais estrutura. Não temos uma moda maior e mais expressiva por conta da falta de incentivos e do momento pelo qual estamos passado. Espero que isso mude rápido”, comentou.

Ele ainda vai mais além, e culpa a cultura burocrática brasileira pelo retrocesso do mercado. "Eu como todo mundo que trabalha e continua acreditando na moda é porque realmente ama o que faz. É muito mais que uma questão de mercado e oportunidades. Hoje quem está dentro da moda é porque a tem como arte. Enxergá-la como business torna tudo muito complicado, conto nos dedos que está tendo algum resultado positivo. É claro que o bom resultado não é apenas o financeiro. É uma questão de credibilidade e realização pessoal, é oferecer algo que as pessoas desejam”, discursou.

Beleza

A vibe cigana vampiresca da Romênia também estava na beleza do desfile da Ratier. Assinado por Lau Neves, a maquiagem das mulheres trazia dois tipos de olhos: vermelhos e preenchidos e apenas uma linha preta. “A gente queria trazer uma vibe mais gipsy para o olho. Então, nas pálpebras, eu misturei vinho com vermelho para dar uma ideia de sangue. Outra maquiagem para os olhos das mulheres é mais simples, apenas com um traço preto. Eu apostei por essas duas opções porque, pelo fato de algumas usarem lenços, eu não quis um olho muito pesado”, explicou sobre o detalhe da pele que era leve e natural.

(Foto: Agência Fotosite)
(Foto: Agência Fotosite)

Nos cabelos das mulheres, Lau Neves apostou em um rabo de cavalo extremamente liso e com uma risca bem definida no centro da cabeça. “O penteado vem como uma forma de potencializar o clima cigano do desfile”, completou o beauty stylist que, para os homens, trouxe apenas um olhar marcado com traço preto na parte inferior em referência aos ciganos romenos. A beleza, assim como a das mulheres, permeia uma mesma atmosfera. Para Lau Neves, este é o segredo para manter a unidade em um casting com homens e mulheres. “Eu acho que precisamos achar uma identidade para ambas as maquiagens. A meu ver, isso não significa usar a mesma cor ou exatamente o mesmo formato. Basta criar uma atmosfera que possa ser replicada”, apontou.

Tags: ROMÊNIA, lau neves, marina dias, moda, ratier, renato ratier, spfw, são paulo fashion week

Compartilhe: