Jornal do Brasil

Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Heloisa Tolipan

www.heloisatolipan.com.br

Lúcio Mauro Filho nos conta sobre seu (peculiar!) personagem na peça “5x Comédia”

Ator está em cartaz ao lado de Bruno Mazzeo, Debora Lamm e mais no espetáculo

Lúcio Mauro Filho está tirando férias de segunda temporada de “Chapa Quente”, na qual interpreta o desastradoSargento Bigode, mas isso não significa que o ator está relaxando debaixo de sombra e água fresca, não. No auge de seus 42 anos, ele, que ganhou destaque na televisão brasileira ao interpretar o afetado Alfredinho, do humorístico“Zorra Total”, segue em cartaz com o peça “5x Comédia”, ao lado de Bruno Mazzeo, Debora Lamm, Fabiula Nascimento e Thalita Carauta. E os trabalhos do rapaz não param por aí. Além estar na segunda temporada da“Escolhinha do Professor Raimundo” e interpretar o saudoso amigo Luís Carlos Miele no filme “Elis”, Lúcio ainda da continuidade ao projeto Rio Bossa Club, que teve sua primeira edição em 2014 e retorna todas às quartas-feiras, no Salão Crystal do hotel Copacabana Palace.

Em entrevista exclusiva a HT, ele falou sobre o evento que traz de volta toda a elegância e charme de um dos gêneros musicais mais famosos do nosso país. “Nós queremos trazer de volta a bossa que exportou o Brasil para o mundo e hoje parece tão esquecida pelos próprios brasileiros. Mas nada de voz e violão. Aqui nós propomos muita diversão”, adiantou o ator. “Estamos recebendo convidados não só da bossa nova, mas também pessoas da comédia e da música em uma forma geral. A primeira edição aconteceu durante a Copa do Mundo de 2014, na Miranda, e a repercussão foi ótima. Esperamos a Olimpíada passar para a cidade finalmente conseguir dar uma respirada para recomeçar esse projeto”, adiantou.

Tiago Abravanel e Lúcio Mauro Filho no evento Rio Bossa Club
Tiago Abravanel e Lúcio Mauro Filho no evento Rio Bossa Club

No dia 14 de setembro, primeiro dia do evento, o ator, cantor e multifacetado Tiago Abravanel foi o grande convidado do projeto de Lúcio Mauro Filho em parceria com o músico e produtor Zé Ricardo. Com o salão lotado de astros e estrelas, o paulistano, que se apresentou de pijama e pantufas, se juntou à banda Bossa Cuca Nova e entoou músicas de Wilson Simonal, Tom Jobim e claro, Tim Maia. “A gente estreia com esse pé de coelho que é o Tiago Abravanel e no decorrer das próximas semanas teremos a presença de Samantha SchmützLuís Miranda, Celso FonsecaSimoninha… são artistas da música e da arte de representar”, afirmou ele, sentindo-se orgulhoso de poder contribuir para o resgate do gênero que exportou o Brasil para o mundo. “Essa é a nossa humilde participação para que a bossa esteja no lugar onde ela tem que estar: nos holofotes e em um lugar como esse que é o Copacabana Palace”, destacou.

No palco, Lúcio promete contar divertidas crônicas do cotidiano dos cariocas na cidade que, como diria Fernanda Abreu, é o purgatório da beleza do caos. Entre suas histórias – publicáveis, ele revelou a HT uma passagens que garantiu ser uma das mais curiosas da sua vida na urbe. “Uma vez eu levei um grande amigo para ver o desfile daApoteose. Neste dia nós desfilamos pela Beija-Flor, e depois fomos para um camarote assistir a Mangueira, que inclusive é minha escola de coração. Ele sentou na janelinha e se emocionou tanto que chegou a pular na avenida. Eu fiquei em choque, mas como era desfile das campeãs foi uma coisa mais tranquila. Fique preocupado e fui tentar procurá-lo. Quando finalmente consegui o avistar ele já estava se atracando com uma menina. Isso é Rio de Janeiro, né? Já que ele pulou na avenida, caiu no samba e descobriu uma namorada ele encontrou o verdadeiro espírito carioca”, brincou.

Já nos cinemas, Lucinho, como é chamado pelos amigos, está prestes a lançar a cinebiografia “Elis”, filme de Hugo Prata totalmente dedicada à vida e obra da cantora Elis Regina, em que a Pimentinha é interpretada brilhantemente pela atriz Andreia Horta. Dentre outras passagens, as apresentações no icônico Beco das Garrafas mostra a parceria entre a cantora e Luis Carlos Miele, que no longa é interpretado magistralmente por Lúcio. “Foi um momento muito especial da minha carreira, porque o Miele era um grande amigo. A preparação para interpretá-lo aconteceu durante os dois anos que nós dividimos o camarim no espetáculo ‘O Mágico de Oz’. Eu tenho muito orgulho de ter representado um amigo. Ele foi visitar o set de gravações antes de falecer e ainda aprovou o que viu. Nos encontramos às vésperas de sua morte, no Beco, em Copacabana. Ficou muito emocionado ao me ver caracterizado como ele. E ali foi a nossa despedida. Ele chegou até a participar do Rio Bossa Club em sua primeira edição. Se ele não estivesse partido, certamente seria um dos nossos convidados de honra”, comentou. O filme “Elis”, que já foi visto pela coluna HT no Festival de Cinema de Gramado, estreia em novembro nos cinemas de todo o país.

No papel de Miele, na inédita cinebiografia de Elis Regina
No papel de Miele, na inédita cinebiografia de Elis Regina

Contudo, o maior desafio do ator tem sido mesmo no palco, na peça “5x Comédia”. Sob o texto de Gregório Duvivier, ele interpreta um funcionário público – à la Lineu Silva, de ‘ A Grande Família’, que topa participar de uma orgia com a mulher. O problema é que ele acaba se arrependendo na hora H. “A polêmica gira em torno de onde o meu personagem está, né? Ele cai de paraquedas em um grupo que está fazendo sexo grupal e fica desesperado tentando interagir com aquilo tudo, mas descobre que não está pronto para isso. Do nada, ele resolve tomar um ar na varanda da casa e descobre que tem um vizinho que é bom de dicas. E esse cara começa a orientá-lo nesse momento. É uma maravilha estar trabalhando com Monique Gardemberg, diretora do espetáculo, essa grife do teatro brasileiro. Somos cinco amigos defendendo com garra e alegria a comédia que está nesse título”, disse ele, que ainda avaliou os diferentes caminhos do humor pelo mundo. “Em tempos em que o público pensa que stand up é o único jeito de se fazer comédia, o ‘5x’ vem para resgatar a comédia teatral, onde se interpreta personagem e o texto também”, pontuou.

Questionado sobre o cunho conservador de seu personagem, Lúcio disse que a peça além de divertir também traz uma reflexão para o público. “Ele é bem careta, assim como o machismo que pode ser visto neste homem. Você não pode controlar a liberdade da mulher numa hora dessas. Até porque machista é o mundo e a cabeça das pessoas. Na verdade ele está representando ali o machismo do próprio público. E essa é uma das funções do teatro, colocar um espelho e todo mundo se sente um pouco como ele”, apontou o ator, que ainda comentou sobre a crise política que enfrenta o país. “Era necessário que tudo isso acontecesse sim, e de preferência que o Temer caísse junto. Mas se não for possível tudo bem. A gente espera até 2018. Porque a gente cumpre a constituição, eles não”, disparou.

colunaheloisatolipan@gmail.com

Tags: 5x comédia, ator, bruno mazzeo, comédia, elis, entrevista, filme, heloisa tolipan, lúcio mauro filho, peça, projetos, saiba, teatro

Compartilhe: