Jornal do Brasil

Quarta-feira, 18 de Julho de 2018 Fundado em 1891
Futebol & Cia.

Futebol & Cia.

Renato Mauricio Prado


O fator Mbappé

Jornal do Brasil

Que influência terão sobre Neymar as espetaculares atuações de Mbappé e Cavani, seus dois companheiros de ataque, no Paris Saint-Germain? Que nosso camisa dez pisará o gramado de Samara hoje especialmente motivado por elas, não tenho a menor dúvida. Só espero que isso não o faça voltar a querer dar um show particular, pedindo todas as bolas, chutando de qualquer lugar e, o pior dos pesadelos, voltando a se atirar cinematograficamente ao chão a qualquer contato e brigando com os juízes, sempre que contrariado. Não custa lembrar, ele já tem um cartão amarelo e, no próximo, é suspensão imediata.

O melhor desempenho de Neymar até agora foi na última partida, contra a Sérvia, na qual se mostrou controlado em campo, não discutindo nem com os rivais nem com o árbitro e preferindo sempre o passe às arrancadas individuais, quando marcado por vários adversários. Dessa forma, produziu mais para a equipe, o que não o impediu de ter pelo menos três boas chances para marcar. Com certeza, é isso que Tite quer e voltará a lhe pedir, momentos antes de enfrentar os mexicanos.

A surpreendente desclassificação da Espanha diante da Rússia e a enorme dificuldade que a Croácia teve para passar pela Dinamarca, certamente, também serão usados pelo treinador para alertar não somente o seu principal craque, mas todo o time, do necessário cuidado, mesmo diante de um adversário tecnicamente inferior.

Zebras e jogos duríssimos, quando se esperava que fossem fáceis, têm sido costumeiros na Copa da Rússia. Ainda assim, confesso, não temo o México e aposto numa vitória brasileira. Creio até que ela pode ser por um placar mais folgado e com uma grande exibição. Que seria fundamental para que a seleção se enchesse de moral e embalasse para enfrentar os adversários realmente difíceis que passará a ter pela frente, a partir das quartas de final.

Para que isso aconteça, porém, é fundamental que Neymar continue crescendo dentro da competição (algo absolutamente normal diante da séria contusão que sofreu e da cirurgia a que foi submetido) e mantenha a postura séria do último jogo.

Perguntado sobre as grandes atuações de Mbappé e Cavani, o zagueiro e hoje capitão do Brasil, Thiago Silva, também companheiro deles no Paris Saint-Germain, disse ontem que agora “chegou a hora de Neymar brilhar”.

Que brilhe. Coletivamente. Porque se entrar em campo preocupado apenas em ser melhor que Mbappé e Cavani, pode acabar colocando tudo a perder.



Tags: cavani, copa do mundo, futebol, mbappé, neymar

Compartilhe: