Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Dezembro de 2014

Esportes

Zico critica CBF e diz que entidade nada faz pelo futebol brasileiro

Agência Brasil

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não faz nada pelo esporte no país, disse nesta quinta-feira (10) o ex-jogador Zico. O ídolo do Flamengo e da Seleção Brasileira criticou duramente a CBF por não apoiar os clubes  na formação e manutenção de atletas no país, inclusive financeiramente. "A CBF só usufrui dos nomes dos jogadores, arrecada, tem não sei quantos patrocinadores, mas não faz nada para melhorar o futebol brasileiro", afirmou o jogador, no Rio de Janeiro. 

Para Zico, um dos maiores problemas do futebol brasileiro é ausência de escolas de formação de atletas e condições de reter talentos, desafios que recaem sobre os clubes. Segundo ele, a CBF, além de não auxiliar os times nessas tarefas, tira proveito. “É muito fácil um clube sofrer, passar cinco anos preparando jogador e a CBF vai, pega, leva para seleção dela, é campeã da [categoria] sub-17 e sub-18, mas não deu uma ajuda sequer ao clube”, criticou.

Ex-jogador de três copas, Zico disse que jovens atletas devem ter o direito de buscar melhores condições de vida no exterior, mas, em defesa do esporte nacional, os clubes no Brasil devem ser fortalecidos pela confederação. “Ninguém pode impedir o direito do jovem, mas a CBF podia ajudar os clubes, fazer com que tivessem mais poder”, completou. Para ele, há uma histeria por jogar em times europeus, “como se o futebol brasileiro não fosse importante”.

Para reverter o quadro, Zico defende que os próprios clubes, que escolhem a diretoria da CBF, opinem sobre o uso dos recursos da organização. “A politica atual não está sendo benéfica ao futebol brasileiro, mas aos clubes europeus. E a CBF senta na cadeira, muito cômoda. A hora que precisa, traz os jogadores, não paga nada. Lamento profundamente que os clubes estejam comprometidos com a eleição do presidente, mas não tenham o apoio que deveriam ter”.

Zico também criticou a ausência de cursos para comissão técnica; a escolha de jogadores de base por características físicas, em vez do talento; e a ausência de torcedores nos estádios. "O Brasil é tido como país do futebol, mas tem 7 mil, 8 mil pessoas [por jogo] no estádio. Na Alemanha tem 40 mil, 50 mil, 60 mil. Quer dizer, que país do futebol é esse?", questionou. “Os clube estão enfraquecidos, os melhores jogadores não estão aqui”, justificou, sobre o baixo comparecimento do público.

As declarações foram dadas em dia de decisão da Copa SOC14L, que promoveu um campeonato de futebol entre times de projetos sociais atendidos em comunidades cariocas.

Tags: confederação, Críticas, Fla, ídolo, seleção

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.