Jornal do Brasil

Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Esportes

Governo e médicos na Bahia divergem sobre capacidade de atendimento na Copa

Agência Brasil

Em Salvador, semanas antes do início da Copa do Mundo, governo e profissionais de saúde divergem com relação à capacidade de atendimento diante da expectativa da chegada de milhares de turistas atraídos pelos três clássicos europeus que serão disputados na Arena Fonte Nova. O resultado só poderá ser medido no final da Copa do Mundo. O governo garante que a estrutura montada é suficiente para atender à demanda. Já representantes do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed-BA) discordam.

“Tanto o serviço municipal quanto estadual na Bahia estão passando por grandes dificuldades”, disse Francisco Magalhães, presidente do Sindimed, ao mencionar a falta de estrutura e profissionais nas unidades. “As instalações estão precárias e, em termos de pessoal, há restrição de contratações e isso começa a se constituir em precarização. Os [profissionais] que têm, acabam trabalhando mais, com sobrecarga”.

No início de maio, médicos da rede municipal de Salvador decidiram aderir à greve, deflagrada por outros servidores da capital baiana e que terminou na semana passada.

A Arena Fonte Nova será palco da disputa entre Espanha e Holanda, no dia 13 de junho; Alemanha e Portugal, no dia 16 e Suíça e França, no dia 20. Nesses dias, três postos de atendimento funcionarão no perímetro do estádio, com médicos e enfermeiros, abrindo três horas antes da partida e fechando uma hora depois. O mesmo esquema será repetido no dia 25, durante a partida entre Irã e Bósnia-Herzegovina, e nos dias 1º de julho, em uma partida das oitavas de final, e 5 de julho, durante um dos jogos das quartas de final.

Luciana Peixoto, diretora de Atenção e Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e responsável pela área durante o Mundial, explicou que os profissionais lotados nas unidades de atendimento avançado estão preparados para atender desde casos mais simples de ortopedia até fazer pequenas cirurgias. Números do governo apontam que, no perímetro da arena, vão atuar mais de 160 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, condutor do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) e agentes da vigilância sanitária.

“As equipes das unidades de emergência próxima à arena também terão mais profissionais de enfermagem do que o normal. Se tem oito terão, pelo menos, dez enfermeiros”, acrescentou.

O governo aposta no esquema e diz que as experiências vividas nos eventos-testes, como o carnaval fora de época e a Copa das Confederações, provaram que a estrutura montada é suficiente para atender ao evento. “A rede já tem expertise de fazer o carnaval. O posto é similar, tem a mesma estrutura e profissionais capacitados que já sabem como encaminhar. A experiência na Copa das Confederações mostra que transferimos menos de 10% das pessoas atendidas nos postos”, informou a diretora.

Luciana Peixoto garantiu que os atendimentos aos moradores da cidade não serão prejudicados com a chegada de um número maior de turistas. “Na rede de urgência e emergência, aumentamos mais uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e em junho teremos mais uma para atendimento imediato e estamos reforçando as unidades existentes”.

Durante o Mundial, além das dez UPAs que estarão em funcionamento em Salvador, quatro hospitais estaduais na capital, além da unidade de ortopedia, foram acionados para funcionarem como unidades de retaguarda caso seja necessário transferir pacientes. Não existem hospitais municipais em Salvador.

De acordo com informações do plano integrado de saúde para a Copa, formulado por órgãos do estado e do município, a rede estadual tem 217 leitos clínicos e 78 de UTI. Durante o período dos jogos, haverá cerca de 50 ambulâncias do Samu.

Tags: Bahia, copa do mundo, samu, SAÚDE, saúde na copa, UPA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.