Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Esportes

Contra Valdivia, Flamengo leva melhor com "talento reserva"

Portal Terra

O futebol moderno, principalmente o brasileiro, se encaminha para contrariar o ditado popular de que "uma andorinha só não faz verão". Quanto mais evolui e segue botando banca de melhor e mais talentoso do mundo, mais fazem falta talentos aos times brasileiros. Talentos que decidam, que saibam onde colocar a bola, que saibam como cadenciar ou dar velocidade a um jogo na hora certa. Não estamos falando, na maior parte dos casos, de craques. Mas de jogadores com talento o suficiente para fugir da média. No caso do jogo da tarde deste domingo no Maracanã - vitória do Fla sobre o Palmeiras por 4 a 2 - os exemplos forem bem claros: dois times medianos, em que a diferença esteve no talento.

No Palmeiras, o talento começou de titular. Valdivia (reclamão, chinelinho e o que mais se quiser falar do chileno) é desses que marcam a diferença. Faz de um time com uma zaga que dá arrepios um time nem tão ruim assim. Foi melhor no primeiro tempo, dominou o jogo desde o começo contra um Flamengo perdido. Mas o time perdeu fôlego e marcação, e não soube matar um jogo que estava controlado.

Já no Flamengo, o talento começou no banco. O argentino Lucas Mugni, que ainda não mostrou o porquê de ter sido contratado, teve que entrar no segundo tempo para mudar a cara do time. O Flamengo começou, teoricamente, com quatro atacantes, mas foi incapaz de chegar ao gol adversário no primeiro tempo (apesar do gol).

A torcida ainda morre de saudade do Elias. Até Mugni entrar para dar o toque de qualidade que o meio-campo precisava o cargo de Jayme de Almeida estava mais do que ameaçado. E agora que está ameaçado é Kleina. O futebol, noves fora os talentos, não é matemática. Pelo menos isso ainda é um alento.

Tags: Fla, gols, maracanã, palmeiras, Valdívia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.