Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

Esportes

Ingressos da Copa são vendidos por até R$10 mil em grupos no Facebook

Prática é ilegal e punição prevê multa e um a dois anos de reclusão

Jornal do BrasilAna Luiza Albuquerque*

Grande parte dos brasileiros que esperaram anos por uma Copa do Mundo no Brasil terão que se contentar em assistir aos jogos pela televisão. Além do preço oficial dos ingressos, considerado elevado por muitos, e do sorteio no site, que dificultou ainda mais a compra, os torcedores enfrentam mais um obstáculo - os cambistas. Em grupos de troca e venda de ingressos no Facebook, bilhetes chegam a ser oferecidos por R$ 10 mil e raramente são revendidos pelo preço de custo.

"Acho muito errado quem compra ingresso para revender, porque você tira a oportunidade de outras pessoas que querem muito ir. Conheço gente que pagou milhares de reais pelo ingresso. Nunca paguei e não pago. Vou ver em casa", conta Bianca Lemos, estudante de Direito. "No Rock in Rio, por exemplo, eu desisti de ir no show, mas cobrei o mesmo valor da bilheteria. Uma menina me ofereceu mais e eu não aceitei. Acho um absurdo lucrar com isso", argumenta. Carlos Alberto Orlando, estudante de economia e amante de futebol, também critica a prática dos cambistas e lamenta não ter conseguido ingresso. "A gente fica muito frustrado, eu queria ir com o meu pai e não vou poder. Revender mais caro é um absurdo, é crime. Essas pessoas têm que ser presas. Eu não pago, prefiro não ir", defende.

O Procon-RJ reitera que a venda de qualquer produto por cambistas é um ato criminoso e que o consumidor deve denunciar a prática à polícia. A fundação adverte, ainda, que quem comprar ingressos para a Copa por meio de cambistas é coautor do crime e poderá ser autuado por isto.

A Fifa, por sua vez, afirma que os termos e condições gerais para a utilização de ingressos proíbem qualquer revenda não autorizada e, particularmente, preços excessivos sobre os originais. A instituição garante que pede desde o início para que torcedores não comprem ingressos de vendedores operantes no mercado paralelo e sempre enfatiza que a única fonte oficial de ingressos para a Copa do Mundo é o site oficial. Nele, a Fifa destaca que a revenda de ingressos esportivos a um preço superior ao indicado na entrada é proibida no Brasil pelo Artigo 41-F da Lei nº 10.671/2003, o "Estatuto do Torcedor". A federação informa, ainda, que conforme o Artigo 16 da Lei Geral da Copa do Mundo da Fifa, a prática é passível de punições civis e penais.

O artigo citado pela Fifa prevê multa e reclusão de um a dois anos para aqueles que vendem ingressos acima do preço de custo. A reportagem do JB entrou em contato com a Polícia Civil mas, até o fechamento desta matéria, não houve resposta sobre qualquer investigação abrangendo a prática dos cambistas nas redes sociais.

*Programa de Estágio Jornal do Brasil

Tags: cambistas, copa do mundo, Facebook, grupos, ingressos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.