Jornal do Brasil

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Esportes

Indonésio conduz explosão de R$ 130 milhões no futebol chinês

Portal Terra

Acionista de uma das maiores fornecedoras de material esportivo do planeta, dono de restaurante de comida chinesa, lojas de carros e empreendimentos imobiliários. Apesar dos negócios diversificados, o indonésio Lee Yue Hung Joseph, um senhor de aproximadamente 50 anos e mais conhecido como Joseph Lee, sabe realmente o que é sucesso por causa da bola.

Agente licenciado pela Fifa, Lee é o grande responsável pela explosão de transferências entre o futebol brasileiro e o futebol chinês. Só nos últimos dois anos, foram mais de R$ 130 milhões investidos por dois clubes chineses. Ele esteve em todas. A última delas foi a saída de Montillo do Santos. 

Quando o Guangzhou Evergrande venceu a Liga dos Campeões da Ásia e chegou ao quarto lugar do último Mundial de Clubes, Joseph Lee certamente celebrou tanto quanto os torcedores da equipe chinesa. Era a consolidação de um projeto do milionário dono do Guangzhou, investidor de hotéis de luxo, edifícios de primeira linha e ouro. Dinheiro empregado para comprar Darío Conca, Lucas Barrios, Elkeson, Muriqui e ter o treinador italiano Marcelo Lippi. 

Representante do Guangzhou na América Latina, Joseph Lee intermediou todas essas transferências e chamou a atenção do novo rico local, Shandong Luneng. Foi o início de mais um ciclo: reticentes em negociar diretamente com brasileiros, os chineses encontraram no asiático Lee um representante de confiança.

Só nas últimas semanas, o investimento no Brasil foi de quase R$ 40 milhões para as contratações de Montillo, Aloísio, Renê Júnior e ainda um treinador de ponta: a primeira opção era Tite, mas quem topou o desafio chinês foi Cuca. Seu salário do Atlético-MG saltou aproximadamente cinco vezes: agora é de R$ 1,5 milhão por mês. 

Tags: brasileiros, cHINA, contratações, Jogadores, milionárias

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.