Jornal do Brasil

Sábado, 19 de Abril de 2014

Esportes

STJD espera decisão da CBF, mas não descarta paralisar Série A em 2014

Portal Terra

Em entrevista exclusiva ao Terra, o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Flávio Zveiter, afirmou que a Série A do Campeonato Brasileiro pode ser paralisada em 2014 caso ocorram mais liminares conflitantes na Justiça Comum. Nesta sexta-feira, a 42ª Vara Cível de São Paulo determinou, por meio do juiz Marcello do Amaral Perino, a devolução dos quatro pontos perdidos pelo Flamengo relacionados à escalação de André Santos no jogo contra Cruzeiro, pelo Nacional de 2013.

Zveiter disse que o STJD está tranquilo com a decisão da Justiça Comum, mas vai esperar uma posição da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que deve recorrer. No entanto, ele acredita que "uma ação orquestrada para que torcedores entrem na Justiça" e consigam liminares contra a decisão do Pleno do último dia 27 - que tirou quatro pontos de Flamengo e Portuguesa - pode ser muito prejudicial ao futebol brasileiro, podendo, inclusive, causar a paralisação da Série A neste ano.

Ação contra a CBF foi movida por Luiz Paulo Pieruccetti Marques, que na decisão despachada pelo juiz é chamado de sócio laureado e torcedor do Flamengo. Segundo o despacho, a decisão do STJD em retirar os pontos do clube é contraditória em relação ao Estatuto do Torcedor. O juiz ainda cita o caso da Portuguesa, punida com o mesmo número de pontos por escalar o meio-campista Heverton na última rodada contra o Grêmio em uma situação semelhante.

"O STJD recebe com toda tranquilidade essa decisão. Não se discute essas decisões. Se cumpre ou se recorre. A CBF vai analisar e vê o que vai fazer. Mas na minha visão, está equivocada. O juiz proferiu, agora cabe a CBF analisar recursos", afirmou Zveiter. "Hoje existe uma decisão de um juiz de SP, que vai ser alvo de recurso da CBF, e temos que aguardar. Mas é claro que isso pode acontecer (paralisar a Série A)", acrescentou.

Tags: Brasileirão, desportiva, justiça, superior, Tribunal

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.