Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Esportes

Dramas de Schumacher e Anderson Silva trazem à tona exemplos de superação

Ronaldo e Baresi foram alguns dos atletas que deram a volta por cima

Jornal do BrasilAmanda da Rocha*

A imagem da fratura de Anderson Silva roda o mundo em replay desde o último sábado, quando o acidente interrompeu a luta pelo UFC que valia a recuperação do cinturão, em posse de Chris Weidman. Pela gravidade da lesão, a dúvida sobre o futuro profissional de Anderson, que já tem 38 anos, fica no ar até mesmo para o próprio esportista. Segundo o médico Steven Sanders, a pergunta mais feita pelo lutador até agora é sobre quando poderá voltar a treinar. Apesar das incertezas, lesões e fraturas são comuns nos esportes e muitos atletas dão a volta por cima após graves acidentes, conseguindo até títulos mundiais.

O medalhista da Fórmula 1 Michael Schumacher, que está em coma induzido em estado grave desde domingo, quando bateu a cabeça enquanto esquiava nos Alpes franceses, já sofreu lesão parecida com a de Anderson em 1999. No entanto, não foi lutando que Schumacher fraturou a tíbia e a fíbula.

Após bater contra o muro ainda na primeira volta do circuito de Silvertone a 100km/h, a recuperação de Schumacher foi estimada em 45 dias. O tempo, no entanto, foi mais longo, afastando o atleta das pistas por seis corridas e tirando suas chances de título naquele ano.

Apesar do trauma, no ano seguinte, em 2000, Schumacher iniciou seu reinado na Fórmula 1, ficando em 1º lugar na disputa. O pódio foi dele na classificação geral por quatro anos seguidos, até 2004.

Ronaldo ficou quase dois anos afastado por conta da ruptura total de ligamentos do joelho
Ronaldo ficou quase dois anos afastado por conta da ruptura total de ligamentos do joelho

Outro acidente emblemático no mundo do esporte foi protagonizado por Ronaldo. A ruptura total dos ligamentos do joelho direito foi precedida por uma ruptura parcial, que o fez parar, primeiramente, por cinco meses. Ao voltar, em abril de 2000, o acidente mais grave aconteceu na Copa da Itália, enquanto jogava pelo Internazionale de Milão.

Depois de um tratamento intenso, com muita fisioterapia, a maioria não acreditava mais na recuperação do craque. Mas, após quase dois anos afastado dos campos, Ronaldo voltou a jogar, alcançando o auge de sua carreira e deixando sua marca no futebol: na Copa do Mundo de 2002, quando foi a grande estrela, marcando dois gols contra a Alemanha na final e se tornando o artilheiro do campeonato, com oito bolas na rede.

A corredora Joan Benoit é mais um exemplo de superação após lesões graves. A atleta já iniciou sua história no mundo do esporte a partir de um acidente: ela começou a correr longas distâncias para se recuperar de uma fratura na perna. Em 1979, já era a vencedora da Maratona de Boston.

Porém, após diversas lesões, teve que ser submetida a uma operação no joelho e sua recuperação foi a partir do deep-running, uma corrida na piscina sem impactos. Após impressionantes 17 dias da operação, Joan disputou a primeira maratona olímpica feminina e ganhou a medalha de ouro.

Joan Benoit vence a primeira maratona olímpica feminina após operação no joelho
Joan Benoit vence a primeira maratona olímpica feminina após operação no joelho

Já Franco Baresi, jogador de futebol italiano, sofreu uma lesão no dia 23 de junho, enquanto ainda participava da fase de grupos da Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos. No entanto, o atleta se esforçou para que sua recuperação fosse a mais rápida possível. Precisou até operar o joelho, mas não se abateu.

No dia 17 de julho, na final Brasil x Itália, lá estava Franco, pronto para entrar em campo. O jogador ainda não estava totalmente recuperado, mas teve uma atuação memorável. Romário que, na época, foi escolhido pela Fifa como o melhor jogador do Mundial, chegou a dizer que, naquele dia, Baresi fez a marcação mais implacável que ele já havia recebido na carreira.

Diego Maradona, um dos maiores craques do futebol argentino, também não escapou dos infortúnios da profissão. Em 1983, quando jogava para o Barcelona, foi atingido por uma entrada julgada cruel de Andoni Goikoetxea. O episódio foi tão violento que Andoni passou a ser conhecido como “Açougueiro de Bilbao”, em referência ao seu clube de futebol, Athletic Bilbao.

O acidente rendeu a Maradona sua lesão mais grave: uma fratura no tornozelo esquerdo que o afastou por três meses dos campos. No entanto, o craque voltou com tudo ao esporte, tendo um de seus maiores momentos após o acidente, durante a Copa do Mundo de 1986, vencida pela Argentina.

No ano, Maradona foi escolhido como o melhor jogador do mundial pela Fifa, se consagrando como um grande atleta. Seu apelido, El Pibe de Oro (Garoto de Ouro), é um símbolo do sucesso alcançado mesmo após a fratura.

*Do programa de estágio do Jornal do Brasil

Tags: acidente, atleta, fratura, ligamento, RONALDO

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.