Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Esportes

Clubes preparam defesa contra penas do STJD e veem punição excessiva

Portal Terra

Atlético-PR e Vasco já deixaram o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), após a pena respectiva de perda de mando de 12 jogos e oito jogos - metade deles com portões fechados -, com o pensamento na defesa do caso. Ambas as equipes devem recorrer já na próxima segunda-feira e consideraram excessiva a punição imposta às agremiações. Apesar disso, os advogados dos dois clubes disseram ser a favor de uma punição. 

"Quando o resultado não satisfaz, recorre-se e é o que vamos fazer na próxima segunda-feira. Esse é um processo emblemático. O próprio Atlético-PR se propôs a jogar com portões fechados e essa pena não pode ser quantificada dessa forma. Esta será a grande tese a ser explorada e com muita possibilidade de vir a dar certo", alegou o advogado Domingos Moro, do Atlético-PR, logo após o fim da sessão.

A diretoria do clube paranaense se manifestou através do diretor de futebol, Antônio Lopes. De acordo com o dirigente, a pena foi considerada “pesada”. Lopes também criticou os torcedores envolvidos na confusão em Joinville. “A decisão mostra que o clube acaba sendo refém das ações de alguns torcedores”, lamentou.

A visão da representante do Vasco, contudo, é diferente do advogado da agremiação do Paraná. Assim como em sua argumentação, Luciana Lopes continua a defender a tese de que o Vasco não participou de nenhuma reunião de segurança para o confronto e, por isso, não poderia ser penalizado. 

"Haveria pena porque as imagens são fortes. A violência foi muito absurda. No entanto, achei excessiva para o Vasco, que não participou disso. O Vasco não era o mandante e não participou de qualquer reunião de segurança. O clube sequer sabia que não haveria policias militares dentro do estádio. Isso não foi levado em consideração e por isso vamos recorrer", disse Luciana. 

Presidente da sessão que julgou o caso em primeira instância, Paulo Bracks lembrou que uma nova sessão, com relatores diferentes, pode até aumentar a pena imposta pelo STJD. O votante desta sexta espera que a segunda instância, pela gravidade da denúncia, deve ser julgada ainda em 2013. 

"É uma pena inédita, mas os fatos também foram inéditos. E para tamanha selvageria era preciso uma pena rigorosa. Temos que fechar as portas para esse filme de terror", disse primeiramente sobre o rigor da pena.  "Pela importância dos fatos, acredito que ainda este ano se julgue em segunda instância", completou. 

Com possibilidade de ser punido nesta sexta-feira, o árbitro da partida Ricardo Marques Ribeiro se mostrou aliviado após o julgamento - o responsável por comandar o jogo recebeu absolvição unânime de todos os votantes. 

"Estou aliviado porque sei que fiz o melhor que podia. A gente quando entra em campo entra para cumprir as leis com responsabilidade. Foi isso que eu fiz", comentou. 

Tags: briga, feridos, joinville, Torcida, vasco

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.