Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Esportes

Procurador do STJD detona ação do Vasco e aponta "desespero" e "ridículo"

Eventual mudança de placar tiraria Atlético-PR da Libertadores e salvaria Vasco da Série B

Portal Terra

Procurador geral do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Paulo Schmitt vê com muitas ressalvas a notícia que o Vasco entrará com ação para tentar reverter o resultado da derrota de 5 a 1 para o Atlético-PR no último domingo. Schmitt, na realidade, ainda descarta qualquer possibilidade de apresentar denúncia em relação ao placar final da partida disputada em Joinville. Ele usa palavras fortes para definir a articulação da diretoria vascaína. 

"O que aconteceu dá margem para o placar mudar para 3 a 0? Convenhamos! Isso é problema do Vasco, não é problema meu. A Procuradoria não vai se mover um milímetro para dar margem de que o resultado em campo seja modificado. Não vou cair no ridículo de fazer isso. Se o árbitro (Ricardo Marques Ribeiro) errou é outra coisa", disse Schmitt ao Terra. 

Na noite de segunda-feira, a diretoria do Vasco anunciou que acionaria o STJD com ação por conta de o jogo ser paralisado por 1h17min. Segundo regulamento da CBF, uma partida pode ser interrompida por 30 minutos, com possibilidade de acréscimo de outros 30 minutos, caso o árbitro entenda que o motivo seja resolvido. Em caso diferente, o jogo deveria ser adiado.

"É uma análise pessoal minha. Está parecendo desespero do Vasco. Vamos somar quantas vezes o Vasco entrou atrasado em campo nos inícios de partidas, foi punido e nem por isso o jogo acabou em 3 a 0. Estão forçando a barra", lembrou.

De acordo com Schmitt, só um erro de direito grave poderia rever o placar do jogo. Ainda segundo ele, não há punição estipulada para casos como o que ocorreu no domingo em Joinville. "Essa questão de placar por 3 a 0 é para casos diferentes. Como se uma equipe causa a interrupção de um jogo, não pode seguir, faz um cai-cai e fica com seis jogadores", exemplificou. 

Advogado especializado em direito esportivo, Pedro Zanette Alfonsin tem visão semelhante à de Schmitt sobre o caso. "Os advogados do Vasco não alegam prejuízo. A irregularidade de o jogo ir além dos 60 minutos não constitui um erro de direito a ponto de se adiar a partida. O clube (Vasco) não se recusou a jogar e depois alega que o jogo não deveria ocorrer?", questiona. "Esse raciocínio vai contra os princípios gerais do esporte, da lealdade e da competição", diz ainda. 

Para Alfonsin, só situações muito extremas podem reverter o placar de um jogo. "Existiu uma infração à regra, mas sem força o suficiente para anulação. A anulação é algo seríssimo, gravíssimo, raro no futebol com exceção dos jogos do Brasileiro de 2005. Se for contabilizar no mundo inteiro, não chegam a 10 jogos em um histórico recente", complementou. 

Em entrevista à rádio oficial do Atlético-PR, o presidente Mário Celso Petraglia chegou a acusar o Vasco de ação orquestrada com os torcedores que se envolveram em briga corporal contra atleticanos. "Eles vieram de forma premeditada para criar dificuldades para que o jogo não terminasse e fosse para o tapetão. Seria a última esperança deles em não voltar à segunda divisão". 

Tags: briga, estádio, irregularidades, Ministério, público

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.