Jornal do Brasil

Esportes

Justiça do Rio determina que concessão do Maracanã seja considerada nula

Jornal do Brasil

A Justiça do Rio de Janeiro determinou que o processo de licitação do Maracanã, que concedeu a gestão do estádio à iniciativa privada por 35 anos, seja considerado nulo e obrigou ainda o Estado do Rio a manter em funcionamento o Estádio de Atletismo Célio de Barros, o Parque Aquático Julio de Lamare e a Escola Municipal Friendenreich, que ficam no entorno da arena localizada na zona norte do Rio.

A decisão é do juiz Marcello Alvarenga Leite, da 9ª Vara da Fazenda Pública. Ele acatou parcialmente a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público (MP) do Rio, que considera que o processo de concessão do estádio, datado de 2013 e em formato de Parceria Público-Privada, "é lesivo aos cofres públicos do Estado do Rio de Janeiro e desnecessário para a viabilidade econômica da concessão".

A reforma do estádio do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014, orçada inicialmente em R$ 700 milhões, custou R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos do Estado. Posteriormente, o Tribunal de Contas do Estado do Rio considerou que a obra foi superfaturada.

O fato de ter sido bancada com recursos públicos foi uma das razões que fizeram o juiz da 9ª Vara da Fazenda Pública considerar o contrato de parceria lesivo. "A principal característica da parceria público-privada é a do particular assumir todo o investimento inicial, o que não ocorreu na hipótese sob análise, uma vez que a obra de reforma do complexo do Maracanã para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014 foi custeada pelo Estado do Rio de Janeiro", escreveu Marcello Alvarenga Leite em sua decisão.

Macaque in the trees
Justiça anulou licitação do Maracanã por irregularidades (Foto: Commons/ Wikimedia)

"Nota-se que o parceiro privado foi diretamente beneficiado pela obra de reforma do Complexo Maracanã, custeada pelo Estado. Assim, o bem público foi reformado, tendo sido despendido gastos elevados pela Poder Público e na sequência foi concedida a administração ao particular pelo prazo de 35 anos."

O juiz também assinala uma "simbiose entre os interesses público e privado" que merece reprovação. Em seu despacho, ele sustenta que uma das rés na ação, a empresa IMX Holding, "foi a responsável pela elaboração do estudo de viabilidade econômica financeira (da concessão), tendo acesso a informações privilegiadas e na sequência integrou o consórcio vencedor do procedimento licitatório".

A decisão também cita a obrigatoriedade do Poder Público manter em funcionamento o Estádio de Atletismo Célio de Barros, o Parque Aquático Julio de Lamare e a Escola Municipal Friendenreich. Pelo projeto original, as três instalações seriam derrubadas e o Consórcio Maracanã construiria dois edifícios garagens e um complexo de lojas. O plano não seguiu adiante após protestos em 2013.

"Diversamente do aduzido, a maioria das intervenções previstas para o entorno do Complexo do Maracanã não dizem respeito a obras de interesse público, mas sim da implantação de projetos de interesse comercial da concessionária", escreveu o juiz Marcello Alvarenga Leite.

Procurado pelo Estado, o Consórcio Maracanã informou que não irá se manifestar sobre o assunto. Já a Casa Civil do Estado informou apenas que "o Governo do Estado ainda não foi notificado".



Recomendadas para você