Jornal do Brasil

Domingo, 22 de Outubro de 2017

Rio - Eleições 2016 Rio

Freixo: "Nada termina hoje. É só o começo de uma luta muito grande"

Jornal do Brasil

O candidato Marcelo Freixo, do Psol, destacou neste domingo (30), após a confirmação de que Marcelo Crivella (PRB) havia vencido a eleição para prefeito no segundo turno do Rio de Janeiro, que a sua luta estava apenas começando. 

"Nada termina hoje. É só o começo de uma luta muito grande" afirmou para um grande público que o esperava na Cinelândia, no Centro do Rio

Freixo: "Nada termina hoje. É só o começo de uma luta muito grande"
Freixo: "Nada termina hoje. É só o começo de uma luta muito grande"

"Nós vencemos essa eleição, devolvemos as pessoas para as praças públicas, devolvemos a alegria para a eleição. Não foram poucos os que se emocionaram. Esta foi uma campanha coletiva", afirmou, acrescentando: "O Rio serve de exemplo para o Brasil inteiro. Temos muito orgulho de estar aqui. Estamos em praça pública porque nosso sonho não é feito em salas fechadas."

Ao lado da candidata a vice, Luciana Boiteux, Freixo afirmou que a campanha foi vitoriosa por devolver a alegria para a cidade. “Foi uma belíssima campanha, em que a gente não ganha nas urnas, mas bota essa quantidade de gente na praça. Sinal que disputamos um sentido da política, que tem uma nova maneira de fazer política que nasce no Rio de Janeiro, feito com transparência, com programa, com trabalho coletivo, com esperança, com amor, com afeto, distribuído pelo território todo do Rio de Janeiro. Chegamos a mais de 1 milhão de votos numa campanha que teve 11 segundos de tempo de TV no primeiro turno e que disputa de uma maneira muito importante, ressignifica a política no Rio”, disse.

Oposição responsável

Freixo disse que sua campanha foi coletiva e colaborativa, com mais de 14 mil doadores e recorde de arrecadação em sistema de crowdfunding, e lembrou que o PSOL conseguiu eleger seis vereadores. Freixo afirmou que seu partido fará uma oposição responsável e propositiva, com intuito de colocar em prática o programa que o partido apresentou durante a campanha para a cidade do Rio.

“A gente organizou esse programa nos bairros e a gente vai continuar fazendo isso. Eu quero continuar visitando cada bairro do Rio de Janeiro, porque eu não sou movido pelo interesse eleitoral. A minha luta política, o meu sonho, o meu desejo por um Rio de Janeiro mais justo não acontece só quando a gente é candidato, ele acontece o tempo inteiro, então a gente vai continuar lutando por um Rio mais justo, por uma cidade melhor, por tudo que a gente defendeu na campanha. A gente continua defendendo e de preferência de forma organizada, indo em cada bairro”.

Aos 49 anos, Freixo ganhou visibilidade quando presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito das Milícias, em 2007, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que investigou a ligação de parlamentares com grupos paramilitares e indiciou 225 pessoas. Sua atuação lhe rendeu inúmeras ameaças de morte e uma referência no filme Tropa de Elite 2, com o personagem Diogo Fraga, deputado que combatia milicianos.

Em 2010, Freixo se reelegeu como segundo deputado estadual mais votado do Rio de Janeiro e, novamente, em 2014, tendo sido o mais votado do país. É o atual presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj.

Com Agência Brasil

Tags: Rio, derrota, eleição, freixo, marcelo, psol

Compartilhe: