Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

País - Eleições 2014

Eduardo Jorge defende uma matriz energética diversificada e renovável

Agência Brasil

O candidato à Presidência da República Eduardo Jorge (PV) visitou hoje (27) a Intersolar South America, feira para o setor de energia solar que está sendo ocorrendo no Expo Center Norte, em São Paulo. Ele conversou com eleitores e expositores e disse que seu programa de governo defende a energia solar. “É claro que precisamos ter uma matriz energética bastante diversificada. Não se pode apostar em um único tipo. Mas a preocupação do PV é que ela seja cada vez mais diversificada e renovável”, disse.

Segundo o candidato, a energia solar é talvez “o tipo de energia que mais está avançando no mundo”. “O país que apostar que a energia solar tem um peso grande na sua matriz energética vai ficar em situação bastante privilegiada em dez anos”.

Para Eduardo Jorge, a energia solar poderia ser estimulada no país por meio de agências de fomento e dos bancos estatais. “Poderia se acertar formas de empréstimo alongados. E isso se justifica porque, na hora em que se instala um aquecimento solar de água ou eletricidade produzida pela fotovoltagem, naquele momento você já começou a ajudar na matriz energética do país. Em uma situação de escassez e de crise, em parte por causa da má gestão, mas também por causa da grande estiagem e impacto da mudança climática, isso é um achado. Cada casa ou conjunto habitacional que o utilizar imediatamente estará ajudando o Brasil como um todo”, explicou.

Além do tema energia, Eduardo Jorge também comentou sobre o seu projeto de acabar com o salário dos vereadores de todo o país. Segundo ele, isso aumentaria o número de vereadores e diminuiria o custo do país com salários e despesas com eles, que estimou em cerca de R$ 15 bilhões. “Queremos dar um exemplo dessa proximidade do parlamentar com a vida do povo. O parlamentar vereador pode muito bem continuar com sua profissão e, uma vez por semana, ou a cada 15 dias, se reunir, votar projetos, fazer orçamento. Estudantes, trabalhadores, donas de casa, comerciantes e industriais vão começar a ter atuação política em sua cidade, uma verdadeira expansão da democracia representativa”, disse.

Indagado pela Agência Brasil se a população poderia cobrar ou exigir algo de um vereador que exerce o trabalho de forma voluntária, ele confirmou que sim, isso seria possível. “O poder do vereador, de votar leis, orçamento e propostas, continua íntegro, mas agora muito mais ligada à vida do seu povo”, ressaltou. 

Tags: 2014, campanhas, candidatos, Eleições, sucessão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.