Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

País - Eleições 2014

Luciana Genro defende revisão da Lei da Anistia

Agência Brasil

A candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, defendeu hoje (23) a revisão da Lei da Anistia para que os torturadores do regime militar possam ser punidos judicialmente. “No meu governo, as Forças Armadas terão de pedir desculpas ao povo brasileiro pelo que fizeram durante a ditadura”, declarou.

No início da tarde, Luciana Genro visitou o Dopinha, casarão em Porto Alegre que funcionou como centro clandestino de tortura durante a ditadura militar. O local será desapropriado e transformado em centro cultural, batizado de Luiz Eurico Tejera Lisboa – militante gaúcho preso em 1972 e assassinado pelo regime.

A candidata reivindicou a punição tanto de agentes civis como de militares que torturaram presos políticos no regime militar. Segundo ela, o entendimento de que os torturadores não cometeram erros durante a ditadura é perigoso porque põe o país sob o risco de viver um novo período de exceção. “Ainda temos, nas Forças Armadas, a cultura de que era legítima a tortura diante da resistência do povo à ditadura.”

Segundo Luciana Genro, a punição aos torturadores do regime militar é importante não apenas para corrigir erros históricos do país como também para evitar que as arbitrariedades cometidas pela polícia em manifestações populares sejam toleradas. “Queremos que cessem hoje as torturas e a violência que seguem acontecendo”, destacou a presidenciável, que voltou a pedir a desmilitarização da polícia.

A candidata estava acompanhada pelo candidato do PSOL ao governo do Rio Grande do Sul, Roberto Robaina, e de candidatos do partido à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa. Também participaram da visita ao Dopinha ex-presos políticos, como o músico e ativista Raul Ellwanger. Luciana Genro não tem agenda prevista para este domingo (24).

Tags: 2014, campanhas, candidatos, Eleições, sucessão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.